31 de out de 2010

Ciúmes de Você

por Jorge Romero


Sentimento que ninguém gosta de assumir que tem. Algumas pessoas até admitem, mas nunca como doença. Mas que no fundo no fundo todos temos, acredito que sim, o ser humano não gosta de ser esquecido e excluído e quando nós estamos do lado de fora de alguma situação, ficamos bravos, claro que nada exagerado e sim por não ser bobo por ser passado para trás, e isso pode ser considerado ciúme.

Eu mesmo não me considero ciumento, tenho minhas coisas e empresto, duas irmãs e nenhum tipo de competição. Amigos, sempre cabe mais um. Nos relacionamentos amorosos não há crise, só um em casa a gente conversa. Mas olhando profundo algumas atitudes percebo que tenho ciúmes de leve, mas admito que o fato de não aceitar que o outro possa ir para algum lugar sem eu saber, já cria um mal-estar. Claro que sou controlado e quase ninguém percebe.

Claro que o fato de ser traído é absurdo, mais absurdo para o outro que está faltando respeito com ele mesmo, mas por orgulho não aceitamos isso.

Você também é assim, até empresta algo, mas acha que vai quebrar. Fica apreensivo ou quando não te ligam você acha que fez algo de errado. Não, eu não sou assim, mas e você?

Ou liga mais de mil vezes para o namorado(a) para saber o que ele está fazendo e se ele está rindo feliz, já acha que fica melhor sem você.

Alguns até acham que exagero no ciúme possa ser inveja, mas não entraremos nesse mérito. Acredito em doença que possa ser curada de várias maneiras. Acho que a melhor é se amar em primeiro lugar, e tudo acontece independente de você e claro, fazendo o melhor possível.

Bom domingo!

2 comentários:

  1. Olá! Saudações Literárias...
    O @CAVALTEX veio visitar.
    Achei muito bem cuidado seu espaço.
    Parabéns!
    Sempre que eu puder voltarei.
    Abraços de Luz.
    Visite o ILUMINANDO A VIDA.

    ResponderExcluir
  2. Legal o texto, mas acredito que ciumes é uma insegurança de se perder alguma coisa ou alguem, nāo devemos encarar isso como uma doença e sim como um medo da solidāo.
    Abraços...

    ResponderExcluir