5 de out de 2010

Garçom, por favor, sirva educação!

por Marco Nascimento


É impressionante como as pessoas estão cada vez mais individualistas, para não dizer egoístas. Mas, em muitos casos, estes momentos de individualismo, ou egoísmo, passa a ser na verdade falta de educação.

Não é difícil vermos no dia a dia cenas de individualidade das pessoas, onde aquela velha máxima de “minha liberdade termina quando começa a do outro”, podendo trocar liberdade por “espaço”, não se enquadra mais.

Não precisamos procurar muito para acharmos motoristas que param em local proibido ou no meio do trânsito só para atender uma necessidade básica sua, atrapalhando assim os demais. Neste momento o motorista nem se preocupa com o mundo ao seu redor; se perguntado o porquê fez isso, responde que era coisa rápida e que nem atrapalhou muito.

Mas não é só no trânsito que podemos perceber estes momentos. Infelizmente isso já faz parte dos mais variados momentos de nossa vida, acontecendo em transportes públicos, supermercados, no ambiente de trabalho e principalmente na rua.

Jogar um papel no chão é um momento de total individualidade, pois só porque aquele papel não te serve mais, você o descarta em qualquer lugar, sem menos pensar que aquele ato estaria sujando um ambiente que é de todos. Inclusive seu. Um momento individual e de falta de educação.

Dias atrás decidi ir a uma boate e me divertir um pouco. Queria dançar a noite toda, beber um pouco com os amigos e dar boas risadas, mas para a minha decepção, foi nesta mesma noite de diversão que pude comprovar o quão egoísta está o ser humano. Passando, como já disse, muitas vezes a ser mal educado.

O lugar estava lotado, e com isso tínhamos que “disputar” o lugar em que queríamos ficar. Nesta procura por um bom lugar, muitas pessoas deixaram a educação de lado e ao invés de pedir licença, ou agradecer com um simples – Obrigado!¬, acharam melhor passar, sem falar nada, apenas empurrando quem estivesse a sua frente. Como um trator, abriam espaço e ali se instalavam, mas se o lugar ainda não estivesse bom, o trator mais uma vez era ativado.

Após empurrões e muita pisada no pé, minha noite chegou ao fim com muita diversão, mas também com a decepção de ver que a individualidade e a má educação estão ocupando um espaço cada vez maior na vida das pessoas.

Pena que os garçons não tinham um drink ou um petisco que trouxesse educação aquelas pessoas, afinal, educação é algo que dinheiro nenhum compra, e que não é vendido em garrafas ou latinhas. Educação é um atributo básico na vida de qualquer pessoa.

Que sejamos mais educados.

Abraço!

Um comentário:

  1. é Marco...infelizmente educação não se encontra em prateleiras de supermercado...

    Mil bjs ♥

    ResponderExcluir