29 de abr de 2011

Fora de mim...

por Mariana Perez

Foi exatamente assim que eu me senti nesta páscoa!

Não fui para o sítio, não fui pra Festa à Fantasia em Bernardino, não fui pra praia, não fui pra rave, não saí do portão pra fora nesses quatro dias... mas eu fiquei fora sim... Fora de Mim, nem que tenha sido por alguns instantes!

E isso se deve ao fato de um livro que ganhei de aniversário em Janeiro, mas somente agora, por ter passado os compromissos da faculdade, é que pude pegá-lo, folheá-lo... e devorá-lo em apenas dois dias.

Inicia-se imediatamente após o adeus... E à avalanche de sentimentos que se sucede a ele. Do silêncio incrédulo anestesiado de emoções, ao choro compulsivo, ao amargo de imaginar o que e com quem o outro estaria fazendo, fantasiar uma volta, esperar um telefonema que nunca vem.

Martha Medeiros é grandiosa na arte de entrar no universo feminino, fazendo chorar, rir e me olhar por dentro... Estou em uma fase de descobertas, que preciso ver até onde aguento cair e me levantar depois sem muita demora.

Tive um feriado de “luto interno”. Organizei meu armário em todos os sentidos...

Separei várias roupas que já não serviam mais, e até aquelas que ficamos sempre pensando no peso ideal pra que elas possam voltar a ser usadas! E mandei embora também os sentimentos que já não me cabem mais...

Mas eu não quero pensar em mais nada disso que ficou...

Quero roupas novas, quem sabe um novo amor... e paz pra esse coração que volta a bater!


“Impossível não me apaixonar. Você é e sempre será o acontecimento mais improvável na vida de uma mulher, de qualquer mulher. Se eu fizesse uma pesquisa, duvido que encontre uma única cristã que me dissesse que sim, que também já teve um homem excêntrico surgido do nada, oferecendo um amor transbordante, um homem com conversa sem pé nem cabeça, mas deixando transparecer em cada palavra que está disposto a morrer para tê-la, um homem com quem você sai uma única vez e já se sente a mulher mais desejada do planeta, um cara que diz que é capaz de ir até os cafundós da Via Láctea para buscar o que você quiser, e você olha dentro dos olhos desse sujeito quase histérico e descobre emocionada que sim, ele iria. Este é você, que não permite que a mulher ao seu lado tenha um único minuto de pensamento próprio, pois sabe que se ela tiver tempo de usar os neurônios, irá desconfiar que da sua natureza impulsiva, intempestiva e alucinada, portanto, antes que ela racionalize sobre a cilada em que está se metendo, você já a cercou com todo romantismo, toda a lábia e com toda a parafernália que faz de você um homem que não existe.”
(Trecho retirado do livro Fora de Mim- Martha Medeiros – págs.: 60/61)


Um final de semana iluminado ♥

28 de abr de 2011

Problema igual, reações diferentes!

por Marco Nascimento


Há pouco mais de dois meses que pelo menos seis horas do meu dia é dedicado a cobrança. Sim, tenho a árdua tarefa de fazer ligações para cobrar alguém, e é depois de uma breve apresentação que tenho como resposta as mais diversas reações.

- Alô, boa tarde!
- Boa tarde!
- O senhor Antônio Dias Reis está?
- Sim, é ele.
- Senhor, meu nome é Marco, estou ligando a respeito do financiamento da Honda CG 150 Titan, que consta a parcela 19 com 22 dias de atraso.

Nesta hora um silêncio se instala. É ai que começa a me dar medo. E a fala a seguir se torna uma incógnita.

Não a grande maioria, mas muitos veem o diálogo acima como a pior coisa do universo. Alguns sem titubear desligam o telefone. Outros preferem questionar valor, horário e porque da ligação com poucos dias de atraso. Mas o que muitos gostam mesmo é de engrossar a voz, dizer que estou sendo chato, irritante e que não vão pagar “porcaria” nenhuma.

Chato eu? Imagina. Só estou tentando fazer meu trabalho, mas parece que muitos não entendem isso. Acham que estou ligando para ameaçar, xingar ou sei lá o que. E é xingar que muitos gostam de fazer, “- Vocês são umas merdas.”, “-Seu idiota, pare de me ligar.”, “- Meu, como vocês são chatos.”, “- Você não tem bom senso não? Vai encher outro.”, ou ainda “- Vai procurar o que fazer.”. É claro que depois vem um tu tu tu... desligam o telefone.

Ah, tem alguns que até para ser mal educados, querem ser educados. Com a voz alterada dizem, me interrompendo, é claro, “- Já sei tudo o que você vai falar, e eu não vou pagar. Obrigado tchau.”. Não me permitem falar mais nada, desligam.

Mas não é só de má educação que vivemos não, é claro que existem as pessoas educadas. Aquelas que conversam de forma respeitosa. Que sabem a hora de falar e ouvir. Que explicam e me deixam explicar. Pessoas que poderiam dar aulas de educação a muitos. Que dizem obrigado ao final da ligação, e alguns ainda completam com um “- Fique com Deus!”.

É engraçado com em um mesmo país, as pessoas são tão diferentes. Cada estado com sua característica, sua cultura. Seu modo de agir.

É galera, a vida de recuperador de crédito não é fácil. Neste texto usei um nome fictício, mas só o nome, porque as frases eu já escutei todas. Sim, por incrível que pareça, já ouvi todas...

Mas no fim, temos que rir tudo isso, afinal, só estou fazendo meu trabalho. Digno por sinal.

Abraços!

27 de abr de 2011

Ter é bom... não usar é ainda melhor!!!

por Fabri Prado


No final do mês de março fui negativamente surpreendida. Bateram atrás do meu “possante”.

Por sorte a pessoa que bateu era honesta e por falta de sorte não tinha seguro.

Incrível que nem me abateu muito a pancada no carro. Abateu-me o desenrolar dos fatos e vou explicar o porquê.

Como o terceiro não tinha seguro, para me garantir, achei melhor acionar o meu seguro. Até ai, perfeito, nada de errado nisso. Procedimento de praxe.

O revoltante é o que veio posteriormente. Antes mesmo de finalizar o processo, sou “secamente” comunicada pela seguradora que ao informar o sinistro eu já estava no ato perdendo 10% do meu bônus para próxima renovação que era de 20% até então, que a minha franquia subirá cerca de 25% para a próxima vigência e que provavelmente eu descerei uma classe.

Eu dirijo a mais de 10 anos e nunca bati o carro, nunca um arranhãozinho se quer. Quem me conhece sabe o quanto eu dirijo com cautela e respeito e ai, além de estar certa, poxa vida, bateram atrás do no meu carro que estava regularmente estacionado, ainda perco tudo isso!!! Quer dizer, me remeto a pensar: De que valeu eu ter sido tão cuidadosa todos esses anos se o dia que eu preciso do seguro pelo erro de um terceiro sou eu quem vai sair perdendo???

Quer dizer eu me sinto vitimada TRÊS vezes. A primeira pela pessoa que colidiu com o meu carro que estava estacionado corretamente. A segunda pela seguradora que brutalmente me informa que eu, mesmo não tendo que pagar nada porque quem bateu pagou a franquia, vou sair prejudicada no final das contas e a terceira novamente pela seguradora que já recebeu tanto dinheiro de mim por todos os anos que eu já sou sua segurada e não deu o menor valor porque se eu valesse alguma coisa pra seguradora, eles seriam mais justos no momento que eu precisei deles.

Quer dizer, pra que serve o seguro??? O que eu vou perder em dinheiro na renovação é quase o valor que a pessoa que bateu em mim pagou pela franquia. A essa altura concluo que eu nem devia ter acionado o seguro, essa é a verdade. O fiz por precaução caso o terceiro não me pagasse o prejuízo e acabarei saindo no prejuízo da mesma maneira.

Agora, a pergunta que não quer calar: Se não compensou eu tê-lo acionado por todos esses fatores, pra que ele serve então??? Qual a real função de pagá-lo??? Espero algum dia encontrar essa resposta.

Mas tudo o que acontece na vida de uma pessoa, seja bom ou ruim, sempre deixa algum ensinamento e é o que me consola nesse caso. O que eu aprendi com tudo isso é que ter seguro no seu automóvel é um mal necessário, sem dúvida. Eu jamais deixarei de ter, apesar de tudo.

Porém o que eu levo mesmo como a maior lição, aliás, como uma das maiores lições da minha vida é que ter é bom, mas não usar é ainda melhor.

Amarga conclusão.

Amigos, findo-me por aqui. Aquele abraço e até semana que vem, se Deus quiser.

26 de abr de 2011

Fases

por Marco Nascimento


Tenho fases como a Lua.

Às vezes estou em uma fase Crescente. Neste momento vou absorvendo tudo o que a vida me proporciona. Adquiro experiências. Em busca de amor e felicidade. Procuro aprender com tudo o que acontece em minha vida. Me jogo, me divirto, vivo.

Quando chega a fase Cheia, é sinal que está na hora de filtrar tudo o que se passou. Analisar, pensar, fazer planos. Aprender com o passado, viver o presente e pensar no futuro. Está na hora de se concentrar e relacionar o que me faz bem.

Depois vem a fase Minguante. Esta é a pior de todas, ou quem sabe a melhor, já que neste momento é hora de se desfazer de muitas coisas que estiveram presentes nos últimos tempos. Fazer uma faxina. É hora de desapegar, às vezes com dor, mas é necessário.

Enfim chega a fase Nova. Hora de novidades. Momento de por em prática o que se aprendeu com os erros e as fases anteriores. É o momento de se permitir crescer, ficar cheio e depois se desapegar.

Eu tenho fases como a Lua, e vivo em um céu cheio de estrelas, que às vezes pode ficar nublado, mas nunca desisto de viver neste céu, pois é ele quem traz a luz para os meus dias. E as fases, na verdade são só aprendizados para continuar vivendo.

Abraços!

22 de abr de 2011

DOCE MARÇO!

por Mariana Perez

♫ “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é...”


O envolvimento começou em meados do fim de fevereiro, mas o sentimento cresceu em março.

Refiro-me a um “doce março”, porque eu senti nesse mês, como há muito tempo já não achei mais que pudesse perceber a minha capacidade de doação.

Quem me acompanha semanalmente, sabe que há dois meses, fiz um texto que relatava as minhas borboletas no estômago, com os primeiros indícios de uma paixonite aguda, que iria me atingir de uma maneira devastadora, e eu iria deixar que isso acontecesse.

Começamos com um simples almoço, depois um segundo encontro, e dias eternos de um mês que teve fim, continuaram por preencher a minha vida de uma maneira que eu já não respirava mais sozinha, já não pensava mais em nada... a não ser a roupa, o perfume que iria usar à noite para encontrá-lo!

Me apaixonei mais uma vez, e como já era de se esperar eu me perdi... e ele não! Dói? Claro que dói... mas a Mariana que eu e ele conhecemos, nem eu achei que existisse, nem eu acreditei que eu pudesse esquecer de todo o resto, todo o passado, pra viver aquele momento... aquele mês de março!

Acredito que tudo acontece por um motivo. As pessoas mudam para que você consiga deixá-las para lá. As coisas dão mal para você aprender a apreciá-las quando estão boas. E às vezes, coisas boas se separam para que coisas melhores ainda se juntem!

Sei que existirão muitos meses para serem doces...


Um final de semana iluminado ♥

21 de abr de 2011

Quero jogar!

por Marco Nascimento


Me engane com seus sentimentos. Me iluda com seus carinhos. Me faça de palhaço no circo que você armou para me conquistar. Me mova de um lado a outro, como se eu fosse uma peça de xadrez.

Jogue os dados, e na sorte decida qual será nosso futuro. Me corrompa com presentes e surpresas inesperadas. Me leve ao céu, mesmo sabendo que na outra ponta há o inferno. Brinque de esconde-esconde e me mostre só o que convém.

Faça o seu jogo. Esconda as regras, ou mude-as quando achar necessário. Só não me deixe fora do jogo do seu amor.

Abraços!

20 de abr de 2011

Se joga!!!

por Fabi Prado


Não adianta amar se não for do fundo do coração.
Não adianta insistir se não houver coerência.
Não adianta dar conselho se for da boca pra fora.
Não adianta perseverar se você não acreditar de verdade naquilo que está fazendo.
Não adianta andar com pressa se você não sabe aonde quer chegar.
Não adianta dar esmola se você humilhar quem a está recebendo.
Não adianta dizer que tem fé se você não mostrá-la através de obras.
Não adianta ter dinheiro se você for escravo dele.
Não adianta ter vários colegas se você não tiver pelo menos um amigo.
Não adianta fazer o bem se depois você usá-lo como escudo contra a pessoa que você ajudou.
Não adianta pensar no amanhã se você nem ao menos se preocupa com o hoje.
Não adianta ser livre se você não conhecer limites.
Não adianta ser forte se você for prisioneiro de alguma coisa.
E não adianta viver se você não se entrega!!!
Aproveite, curta, festeje, supere, se entregue, porque viver é isso: entrega, festa e superação!!!
A vida não acontece por acaso.
Se joga!!!

Aquele abraço e até semana que vem, se Deus quiser.

19 de abr de 2011

Para sempre...

por Marco Nascimento


A luz vai se apagando e sua imagem sumindo em uma escuridão que não me permite mais te ver. A mim só resta à lembrança de um passado que se faz saudade no presente. Sinto-me um fraco por não poder fazer nada pra que você volte.

Neste momento vejo como fui um egoísta. Deveria ter dedicado mais tempo a você. Pensei só em mim, em minhas vontades, e acabei deixando você de lado. Hoje isso me traz a falta, a vontade de viver tudo o que deixei passar.

Em minha mente as imagens dos momentos que passamos juntos ficam nítidas. Lembro-me dos almoços de domingo, dos quais você se preocupava em caprichar e colocar a comida na mesa na hora certa, não deixando ninguém com fome. Não deixava faltar nem o refrigerante.

Dos natais que eram comemorados em sua casa, com a presença de todas as filhas e dos netos e netas, além dos genros e amigos. Neste mesmo dia era comemorado seu aniversário.

Lembro-me também de quando chegava a sua casa e lhe via se esforçando para aprender a ler e a escrever, mesmo com mais de 70 anos de idade. Seu caderno todo caprichado, ao lado de um livro, e a letra de quem estava se empenhando para unir as letras, e as transformar em palavras.

Hoje vejo que não aproveitei como deveria a oportunidade que Deus me deu em ter ao meu lado uma pessoa iluminada. Vejo o quanto deixei de aprender e conviver com alguém tão especial, que infelizmente está de partida. Sem poder voltar.

Já sinto sua falta, mas onde a senhora estiver, vovó, me lembrarei de você. Sempre...

Abraços!

18 de abr de 2011

Diga sempre Eu Te Amo

por Jucemara Oliver


Não deixe de dizer que você ama.
Diga sempre Eu Te Amo ao seu pai, a sua mãe, marido, esposa e amigos.
Quantas pessoas já perderam por destino da vida pessoas que amavam e nunca tiveram coragem de dizem o quanto a amava.
Amar não é vergonhoso, amar é um sentimento maravilhoso.
O amor abre todas as portas de felicidade que alguém procura.
Ame sempre, repita quantas vezes tiver vontade de dizer que ama.
Só o amor tem o poder de construir as coisas mais preciosas.
Amor você não compra, se conquista.
Até os animais nos amam e nós o amamos.
Eu Te Amo! Palavra e sentimento mais puro e verdadeiro.

15 de abr de 2011

Falando sobre perdão...

por Mariana Perez


Nesses meus 24 anos eu já vivi bastante coisa...

Mas confesso, sem ironia, que nenhuma delas eu apagaria. Porque se existe uma coisa que todas essas coisas fizeram, foram formar quem eu sou, aprender a falar não, e principalmente a perdoar as pessoas. Porque elas erram, ora ou outra elas irão te decepcionar, e honestamente não acredito que elas são piores ou melhores que eu por errarem, elas são pessoas. Como eu...

Mas hoje, eu aprendi mais uma lição. Na verdade seria um exercício para os dias, para alma, para o resto da vida se ainda assim eu conseguir...

Muito mais difícil que perdoar pessoas, é se perdoar.

Perdoar o que foi dito, o que foi escondido, o que fez ou até o que deixou de ser feito.

Falo isso por mim... cheia de dúvidas, indagações, planos, sonhos, tristezas, amores e vontades, sempre volto pro mesmo lugar quando algo de ruim acontece. E isso só acontece porque ainda não consegui me perdoar, não consegui enxergar que como todas as outras pessoas, eu falho!

Falho porque luto, falho porque grito, porque falo baixo, porque amo, porque odeio, porque acredito nas pessoas... mas não me sinto vítima de nada, apenas sou eu tentando meu lugar ao sol.

Chegará um dia em que todos esses sentimentos “não saudáveis” irão embora e conseguirei não mais ficar me perguntando POR QUE ACONTECE... mas sim PRA QUE ACONTECE...

E esse exercício que agora batizo de perdão interno, começa a partir de hoje. Porque eu mereço um final feliz... Talvez não como o da Branca de Neve, mas quem sabe, um dia, um final igual o da Mariana.

Perdoar-se é se salvar!

14 de abr de 2011

Ainda penso em você!

por Marco Nascimento


“Depois de tanto caminhar. Depois de quase desistir. Os mesmos pés cansados, voltam pra você.”

Começo meu texto de hoje usando uma frase que compõe a música "Pés Cansados" da cantora Sandy, mas não para falar dela, e sim de você, ou melhor, de nós. Já se passaram vários dias ou meses, não sei quanto tempo ao certo, e mesmo depois de tanto tempo, eis que você ainda se faz presente em meu coração.

Lembro-me com alegria e saudade de seus abraços, seus beijos, ou simplesmente do seu olhar. Recordo-me de nossas conversas, planos e encontros - chopp, balada, cinema. Foram sms’s, depoimentos e conversas no MSN. Foi tudo tão bom.

O tempo passou, e caminhamos em direção a outro rumo. Cada um em seu caminho. Durante esta caminhada conheci outros amores, tive outros abraços e beijos, mas no fim de tudo, nada me fez esquecer você, seus beijos e abraços.

Sinceramente não sei o que se passa em meu coração, não sei se ele ainda guarda um amor que eu não pude lhe dar, ou se é somente a falta daquela gostosa sensação que tinha em estar ao teu lado. A única coisa que sei, é que ele ainda pensa em você.

Abraços!

13 de abr de 2011

O melhor e o pior de nós mesmos!

por Fabi Prado


Começo como colaboradora do blog falando de um assunto que eu particularmente gosto muito: Cinema.

Assisti no último sábado pela primeira vez o filme Crash – No limite. Filme lançado em 2006, do diretor Paul Haggis, diretor também do excelente 72 horas. E claro, recheado de grandes nomes como Sandra Bullock, Brendam Fraser, Don Cheadle, Terrence Howard, Matt Dillon, entre outros.

Um filme realista ao extremo e muito inteligente, não a toa ganhador do Oscar de Melhor Filme no mesmo ano de lançamento e de mais algumas estatuetas.

O filme mostra várias histórias que acabam se entrelaçando, formando uma teia que se mostra tremendamente intrigante. É o típico filme que te faz “grudar” na poltrona.

O básico do filme é falar sobre o racismo imposto pelo povo norte-americano às minorias e mostrar abertamente várias atitudes boas e más, vindas sempre de uma mesma pessoa e estando estas sempre ligadas.

O que fica bem claro durante boa parte do filme é aquilo que vemos em nosso dia a dia. Que tudo tem dois lados, que até o que é ruim pode gerar algo bom. E o filme nos faz engolir isso com um *pragmatismo de impressionar.

Nem sempre o que fazemos considerando ser o melhor para nós, é o melhor para outras pessoas. E nem sempre o que fazemos que possa ser ruim, é algo tão ruim assim. E todos os personagens fazem o bem e em seguida fazem o mal (mesmo que sem saber ou sabendo).

É um belo retrato da vida real eu diria.

Mostra claramente que ninguém é perfeito, que ninguém pode agradar a todos o tempo todo, que ninguém está acima do acerto e do erro, e que nem sempre o que fazemos tem o reflexo que gostaríamos que tivesse ou ultrapassa tudo o que estimamos.

Eletrizante !!!

A cena mais extasiante de todo o filme é a última cena de Sandra Bullock com a sua empregada, pessoa essa que ela, a patroa, trata mal durante todo o filme. A patroa a discrimina por ela ser estrangeira, mexicana se não me engano. Eis que a patroa rola de uma escada e quem a socorre é a empregada discriminada, a única pessoa que está disponível naquele momento já que o marido está trabalhando e a mulher que ela chama de melhor amiga não pode ajudá-la por também estar ocupada. Aliás, a única pessoa que SEMPRE está disponível é a empregada. Determinado momento da cena ela solicita que a empregada a ajude a sentar na cama. A tal o faz com todo o carinho e cuidado do mundo. Eis que ganha um abraço da patroa, um abraço forte, fraterno, carinhoso, carregado de emoção e ouve da mesma: “Quer ouvir algo que vai te fazer rir??? Você é minha melhor amiga...”

Naquele momento pra mim ficou claro que ela percebera finalmente que a empregada fazia tudo o que podia de melhor, que a empregada era a mais perfeita possível dentro dos seus limites e que isso se dava independentemente dela ser mexicana. Ela poderia ser da nacionalidade que fosse e assim ela seria. Naquele momento enfim ela percebeu que todo o racismo que ela tinha daquela pessoa não tinha fundamento algum. E isso se repete o filme todo, dando lição após lição sobre o quanto estamos errados ao julgarmos sem certezas, ao julgarmos sem conhecimento, ao julgarmos sem convicção.

Enfim, o filme inteiro mostra isso. Pessoas sendo discriminadas e em seguida discriminando alguém, pessoas tentando dar o seu melhor e por outro lado renegando alguma outra coisa que faz com que essas mesmas pessoas pareçam pessoas más, mesquinhas, horrorosas em determinado momento, quando na verdade todas têm o seu lado bom, humano, fraterno...

Ou seja, todo mundo tem uma porção boa e uma porção ruim. Até as pessoas que julgamos mais perfeitas tem seus defeitos e até aquelas que julgamos mais cheias de defeitos tem as suas qualidades. Todas as histórias do filme mostram isso e acabam em um dado momento se cruzando. Hora a pessoa tinha uma atitude desonesta, sacana, racista. Hora essa mesma pessoa tinha uma atitude plena, limpa, fraterna, afável. Hora essa pessoa sofria a discriminação. O filme mostra os mais variados lados das pessoas num tom quase de ironia, nos fazendo perceber o quanto somos bons e o quanto podemos ser ruins.

E é assim que somos: *Dúbios. Ninguém é todo do bem e ninguém é todo do mal. Tudo é questão de ponto de vista e interpretação. E uma atitude aqui, se entrelaça a uma atitude ali e vai gerar outra atitude acolá e as faces vão aparecendo, as boas e as não tão boas e quase sem querer...

Até aqueles que seguem por caminhos tortuosos tem as suas qualidades invejáveis, ainda que usem essas qualidades apenas para fazer o mal, mas as tem.

Um filme de dar água na boca, de encher os olhos, de dar uma lição “daquelas” no telespectador... Um filme que a gente tem que ter em casa para assisti-lo a cada vez que a nossa auto-estima descer ao dedão do pé, para apreciá-lo a cada vez que a gente achar que fez mal pra alguém e pra poder revê-lo sempre que sentirmos falta de visualizar o quanto somos imperfeitos e o quanto essas imperfeições nos fazem felizes em alguns momentos.

Amigos, findo-me por aqui. Aquele abraço e até semana que vem, se Deus quiser.


*Pragmatismo - Prática de conceitos e conhecimentos, consideração das coisas de um ponto de vista prático e direto.
*Dúbios - Ambíguos, de diferentes interpretações, vagos, que não se podem definir.

12 de abr de 2011

Ponto negativo!

por Marco Nascimento


Já foi a época que escola era uma instituição de ensino. Que a educação aprendida em casa era complementada com os ensinamentos do professor. Que a convivência com os colegas de classe era além de tudo, uma parte divertida do dia.


O mundo mudou? Não. As pessoas mudaram. E mudaram para pior.


Lembro-me ainda com clareza da minha época de estudos. Passava todo o período da manhã na escola. Quando chegava em casa, já na hora do almoço, fazia minha refeição e descansava um pouco. Logo após tinha que fazer a tarefa deixada pelo professor. Brincar com os amigos só era possível depois de fazer o dever da escola.


Quando criança julgava esta rigidez de meus pais como errada. Agora que cresci, vejo que não.


Antes os pais acompanhavam o desempenho de seus filhos na escola. Faziam com eles as tarefas e ainda as complementavam com algumas explicações. Hoje muitos nem atenção dão a este momento importante na vida dos filhos, e jogam a responsabilidade apenas para a escola. Alguns até reclamam da quantidade exagerada de tarefas dada pelo professor.


Educação. Algo tão importante, tão necessário na vida de uma pessoa, que está sendo deixado para trás. Está sendo jogada no lixo, ou apagada como se fosse apenas simples texto no quadro negro. E não falo só da educação aprendida na escola, mas também da mais importante, a aprendida em casa.


Quanto mais abrimos os olhos, mais enxergamos como a educação está cada vez mais escassa. Hoje as pessoas pensam mais em ganhar dinheiro fácil, do que batalhar por isso. Preferem o culto ao corpo, a inteligência.


O triste fato que vimos na quinta-feira, 07, passada, no Rio de Janeiro, quando um rapaz de apenas 23 anos invadiu uma escola e matou friamente 12 crianças, demonstra mais uma vez quão cruel está ficando o ser humano.


A inocência da criança está sendo logo trocada pela individualidade do adulto. Os pequenos estão crescendo rápido demais, pulando fases, deixando sonhos e cultivando a ganância.


Quem disse que o mundo mudou?


Na verdade, nós, os únicos seres (inr)racionais, é que estamos mudados. Pensando muito qual mundo iremos deixar para nossas crianças, mas não quais crianças iremos deixar para o mundo. Afinal, a criança de hoje, é o adulto de amanhã, e o atos de agora, terão reflexo no futuro.


Abraços! 

11 de abr de 2011

Vem novidades por aí!


Bauru, 31 de março de 2011

O Convite é feito:

Fabi,
Bom dia!!!

(...) Bom, enfim, sem enrolar mais, estou lhe enviando este e-mail para convidar você para escrever para o blog. Como já disse, segundo a Mari você escreve muuuito bem, e sempre é bom ter alguém inteligente ao nosso lado, dividindo conosco seus pensamentos.


Bauru, 02 de abril de 2011

O convite é aceito:

Marco querido

Eu fiquei emocionada com o convite e muito feliz.
E claro que eu aceito. :)


Bauru, 08 de abril de 2011

Depois dos detalhes acertados:

Fabi,
Boa noite querida, tudo bem?

Caso já queira começar escrever ao blog, pode me enviar um texto, com imagem, para ser publicado na próxima quarta. Fique a vontade se quiser aguardar mais algum tempo.


Bauru, 11 de abril de 2011

Um novo texto chega:

Marco

Segue meu texto querido.
Espero que goste !!!


Bauru, 13 de abril de 2011

No dia em que irá completar 7 meses no ar, o Ih, Falei! ganha uma nova colaboradora.
À 0h de quarta-feira ela está chegando.
Aguardem...


Acesse, leia, comente e divulgue!

Você tem coragem?

por Jucemara Oliver


De fechar os olhos e viver um sonho de amor?
Ser conduzido pela emoção quando tudo diz não?
De lutar até o fim pela paixão,
de acreditar no possível,
mesmo quando todos dizem é impossível?

Até onde você e capaz de chegar para viver um grande amor?
A distância máxima que o coração levar,
ou a esquina do primeiro desengano?
Seu coração ainda sonha,
ou está secando devido as desilusões...?
Dentro de você arde uma chama,
ou sopra um vento frio de amargura?
O amor te chama e você responde,
ou se esconde na queixa eterna de que nunca vai dar certo?

Você luta ou se acomoda?
Tem carinho para dar ou prefere se calar?
Onde o amor pode se instalar em você?
Será que seu coração realmente está pronto para viver um grande amor?
Pergunte-se então:
Onde esta o meu amor?
Mas não espere a brisa trazer a resposta,
saia a luta que o amor não é como navio que apita vibrantemente,
quando está perto do cais,
o amor não avisa, chega, atraca e fica...

10 de abr de 2011

Sociedade perdida

por Jorge Romero

 
Tinha me prometido que não falaria sobre violência nesta minha volta ao blog, mas ficou difícil. Primeiro foi em minha família, perdi um primo próximo de forma brutal, e na última quinta-feira aquela tragédia no colégio, que nunca entenderemos. O que eu consigo entender é que está faltando amor entre os seres humanos.

No primeiro caso, o familiar, claro que chocou todos. Foi em frente a casa onde ele morava com os pais e nossa avó. Quando soube e corri para confortar não conseguia entrar na casa da minha tia, e nem os policiais conseguiam trabalhar porque teve uma aglomeração. Fofocar mais importante que o ser humano é surreal. Comentar tudo bem, mas respeito com os mais próximos também faltou.

No segundo caso um psicopata. Um rapaz quieto demais tem que estranhar. Vivemos em sociedade e não é à toa. Precisamos do outro para sermos melhores. Pena que têm alguns que não se aplica isso.

Outro ponto, pessoa ri, chora, reclama, brinca, briga... se evita algo deste tipo precisa de tratamento.

Todos os citados estão próximos de Deus e que ele nunca nos desampare.

Paz neste domingo para todos!

8 de abr de 2011

Na próxima quarta...

por Mariana Perez

“A música é o silêncio em movimento”
(Nietzsche)


Só eu sei (e meus grandes amigos rs) o quanto espero por essa data, o quanto foi difícil a compra pelo ingresso, o quanto sonho com esse momento...

Sei que pode parecer bobagem pra uns, exageros pra outros, mas na próxima quarta-feira não estaria saindo de Bauru, andando quase 400 km no meio do expediente, indo pro Morumbi direto, perdendo aula na semana de prova da faculdade, indo dormir na casa de estranhos, voltando pra casa depois e direto pro trabalho... se realmente não fosse importante!

É importante porque é meu, porque é o que quero, porque é o que sinto, porque é um dos meus maiores sonhos sendo realizados a poucos dias de mim...

Sinto-me sim privilegiada por esse momento, por ter a oportunidade de ver ao vivo um dos maiores espetáculos musicais, que até hoje só consegui assistir na TV.

Sou capaz de já me antecipar, e sentir a energia que tomará conta do meu corpo na próxima quarta-feira, precisamente as 22 h.

Na próxima semana, poderei fazer um risco na minha lista de sonhos, e se ainda assim for possível quem sabe um dia vê-los em Londres... (pés no chão Mariana... rss!!! Ah, eu quero mais é sonhar mesmo!!!)

Demorei pra conseguir, pra chegar até aqui... e agora, só quero o que é meu por direito.

É assim que eu me sinto... Como se a qualquer momento entrará nos meus ouvidos “I still haven't found what i'm looking for”, e eu serei a mulher mais feliz e mais anestesiada de todo o mundo...


Um final de semana iluminado ♥

7 de abr de 2011

Por toda a minha vida eu vou...

por Marco Nascimento


...amar meus pais.
...confiar e acreditar em Deus.
...querer meu irmão ao meu lado.
...fazer de tudo para conservar meus amigos.
...amar a Sandy.
...lembrar da Mariana caindo no dia que passei mal.
...comer batata frita.
...tomar leite com Nescau.
...lembrar que discuti com a Débora por causa de um rascunho.
...fazer a festa com Ivete Sangalo.
...sonhar em ser jornalista.
...escrever para o Ih, Falei!
...lembrar que a Priscila conseguiu realizar meu sonho de conhecer a Sandy.
...chorar e sorrir por um amor.
...me apaixonar quantas vezes for preciso.
...dançar até cansar.
...assistir Esqueceram de Mim 1 e 2.
...lembrar que sofri acidente de moto com a Bianca.
...querer um terno Ricardo Almeida.
...jogar bingo.
...comer bolo prestígio.
...gostar de chocolate branco.
...recomeçar sempre que preciso.
...ser livre, para ser feliz!

Abraços!

5 de abr de 2011

Meu caminho!

por Marco Nascimento


Porque tenho que sentir uma dor que não é minha? Não fiz nada de errado. Não tenho culpa por este sentimento, gostar de quem eu gosto, e querer quem eu quero.

Se vou no caminho contrário, que culpa eu tenho? Não pude escolher qual caminho iria seguir. Meu mapa veio errado, minha bússola não funciona e pra mim, na verdade, este não é o caminho errado. É apenas o caminho que devo seguir.

Confesso que às vezes fico perdido, sem saber qual direção eu devo seguir. Penso até em voltar para trás. Em seguir o caminho que as placas me indicam. Ir de acordo com as informações que me passam.

Mas não, não é isso que eu quero. Quero continuar seguindo a minha estrada. A minha verdade. O meu sentido. Quero continuar nesta longa estrada, pois, apesar de obstáculos, eu ainda acredito que ao fim dela, irá ter a mais belas das paisagens.

Abraços!

1 de abr de 2011

Dias de Londres!

por Mariana Perez

“A vida vai ficando cada vez mais dura perto do topo”
(Nietzsche)


Sempre quando imagino a “minha cidade dos sonhos”, ela sempre me vem à mente em tons cinza, nublados, com um ar melancólico como de um pintor que perdeu toda sua inspiração e cores para a próxima obra. E é exatamente dessa forma que tenho me sentido essa semana... Uma grande falta de inspiração para qualquer coisa que dependa de mim, me persegue! Seja no trabalho, na faculdade, na minha casa... Parece que tudo perdeu a graça, a cor... E olha que nem de amor estou sofrendo!

Eu sei exatamente porque todos esses sentimentos estranhos me invadiram, mas talvez esse já seja assunto para futuros posts. Até a minha terapeuta entrou na jogada... Sim! E porque não ela? Alguém tem que dar conta de mim, pra que eu possa dar conta de outros...

Ela me explicou que isso é apenas uma fase, e que como mulher, jovem, solteira, sonhadora que sou essa fase acabaria chegando para mim! Afinal, quem eu sou? O que quero pra mim?

Preciso mesmo decidir tudo agora? Bom... Acho que o tempo me espera um pouco...


Um final de semana iluminado ♥