28 de fev de 2011

Se eu tivesse

por Jucemara Oliver


Se eu tivesse apenas um conselho para dar, eu diria: AME!

Não importa o quanto doa, ou o quanto te faça sofrer.

Ame sua família, amigos e namorado. Ame até mesmo quem não gosta de você ou quem te critica, pois o amor constrói pontes que transformam o mundo!

Existem milhares de tipos de amores.

O platônico, o rejeitado, o amor de mãe, o amor de amigos, amor violento, amor não-correspondido...

Mas nenhum deles é perfeito, todos eles alguma vez na vida te farão chorar e se perguntar o porquê disto acontecer com você, a explicação nunca ninguém achou, mas eu só sei que o melhor jeito disso tudo é saber respeitar o seu amor, seja ele quem for e ter o respeito dele também!

Conheço pessoas que dizem que nunca mais irão amar outra pessoa. Isso é mentira, pois no nosso dia a dia nós amamos muitas vezes, amamos até mesmo sem saber, pois não tem como viver sem amor em sua vida!

Não importa se você sofreu por alguém ou se quem você gosta não te dá valor, aprenda que a vida gera oportunidades de você aprender com as coisas que acontecem, pense que tudo na vida tem um sentido, uma razão para ter acontecido e que nada impedirá que você sofra e que chore, mas é isso tudo que fará você se transformar numa pessoa melhor e mais forte!

27 de fev de 2011

Vida nada fácil

por Jorge Romero


Sexta-feira fui à estreia do filme “Bruna Surfistinha”. Conheço bem a história, pois acompanhava o blog, li o primeiro livro e vi dezenas de entrevistas. Sempre reparei que Raquel Pacheco era diferente, não sabia o motivo, mais tarde descobri que estudou em bons colégios, mas que o relacionamento com a família adotiva nunca fluiu bem em sua cabeça e nem em seu coração.

Prostituição pra mim não é tabu, só não pago por estes serviços, mas tem um grande público que paga. Também não considero vida fácil, porque ficar com quem nunca se viu deve ser bem complicado. Mas para Bruna Surfistinha, como ficou conhecida, parecia tudo muito fácil, claro que era uma máscara para vida não ser tão difícil. Mas sua inteligência ia fazer sair disso. Pra mim, sem julgamento, qualquer pessoa que se casa por dinheiro é uma forma de se prostituir.

Vi o filme e gostei. Mostrou a realidade. Ela entrando no mundo das drogas e o dinheiro que fez, já que não queria mais ser sustentada por ninguém. Hoje Raquel vive com um ex-cliente, mas essa história todos conhecem bem, né SuperPop? (risos)

Uma passagem boa do filme foi se ela resolvesse viver com a família, se não teria tomado este rumo de vida, mas Raquel/Bruna foi precipitada em muitas coisas, mas foi ser feliz e quem quer ser feliz não merece punição.

Bom domingo!

25 de fev de 2011

Enfim elas chegaram...

por Mariana Perez


Confesso que estou tremendo, e atônita ainda com a ligação, mas finalmente ele me ligou...

Aí meu paizinho do céu, o que é esse negócio que eu estou sentindo!? Eu já sei, não precisa me responder, são as terríveis, as destruidoras (e esperadas) borboletas no estômago...

Sabia que iria sentir isso de novo, mas tinha que ser agora? Justo agora que a minha vida parece andar tão bem, sem complicações, sem muitas dúvidas (pára de mentira, Mariana!).

Quando ouvi a voz dele, eu senti, juro que senti, que minhas artérias deram um nó em volta do meu coração, e assim impedindo que eu respirasse, e que ele pudesse bater... Que nenhum cardiologista leia esse texto!

Ah essas sensações... Tão prazerosas, parece que vejo um arco-íris com exatas 32 cores, e ainda posso distinguir cada uma delas.

E tudo isso porque ele disse que ligou pra bater papo? Ah tá... eu acredito!

Ainda não é certo, mas tudo leva a crer que iremos almoçar juntos hoje... e se der tudo certo, caros leitores, fiquem com a certeza que Mariana Perez não precisará (pelo menos por enquanto) recorrer mais as idéias de Santo Antônio.


Um final de semana iluminado ♥

24 de fev de 2011

Reconstruir!

por Marco Nascimento

“Nada está construído na pedra. Tudo está construído na areia. Mas devemos construir como se a areia fosse pedra.”
Jorge Luís Borges



De início consegui construir apenas um barraco. Não fiz nenhum projeto para construí-lo, por isso tudo saiu tão simples e com pouca estrutura, na verdade, quase nenhuma. Sem pensar no que poderia acontecer, o resultado não poderia ser outro, um vento forte o colocou para baixo.

Passado esta experiência, resolvi fazer uma nova moradia. Desta vez usei tijolo e cimento. Minha nova construção foi rápida, porém desta vez tomei um pouco mais de cuidado. Fiz um planejamento, mas a preguiça ou a pressa não me deixou pensar em todas as consequências futuras. Mais uma vez minha casa estava no chão, mas desta vez, devido ao planejamento, algumas paredes ficaram em pé, e não perdi todo o trabalho que havia feito.

Mesmo me sentindo derrotado, não baixei a cabeça e logo pensei em um novo projeto. Agora, muito mais audacioso:

- Vou construir um castelo.

Aproveitei a experiência adquirida nas outras vezes e mais do que isso, busquei novas informações. Novos aprendizados. Desta vez passei com calma por todas as etapas, sem me preocupar com o tempo. Estudei cada tijolo colocado, cada pedaço a ser construído e depois de um longo período meu castelo estava ali, pronto em minha frente. Da maneira que eu queria.

Durante a construção passei por momentos que me fizeram quase desistir, mas resisti, e continuei em busca do resultado final. Depois de tudo pronto a satisfação foi ainda melhor. Vieram ventos, chuvas, raios e trovões, mas nada derrubou o que eu havia construído. Tudo estava lá. Meu esforço valeu a pena.

Estava diante da minha superação, da minha força de vontade, da minha garra, do meu sonho realizado... estava de frente a aquilo que lutei por dias, meses, anos... mas eu queria mais, queria viver novas experiências, queria aprender mais...

Depois de muito pensar, decidi deixar aquilo que construí para trás e lutar por algo novo. Aproveitando-me de toda experiência adquirida, e todo momento vivido, saí sem medo em busca de novos desafios.

Afinal, a vida é feita para se correr riscos, e às vezes é preciso perder, para que possamos ganhar. É preciso reconstruir.

Abraços!

22 de fev de 2011

Tempo de saudades!

por Marco Nascimento


Surpreendido. Foi assim que me senti quando tivemos nosso primeiro contato. E o melhor, a surpresa foi positiva. Agora vejo o quão bom é arriscar-se e tentar, pois se não tivesse feito isso, talvez jamais tivéssemos nos conhecido.

Ainda bem que arrisquei. Que tentei.

Depois de muitos encontros e desencontros (neste caso muito mais desencontros), enfim conseguimos nos ver pessoalmente. Antes de isso acontecer, parecia que a natureza, o mundo, o universo, ou sabe-se lá o que, conspirava contra nós, e este tal encontro não era possível.

O tempo se encarregou de nos colocar um no caminho do outro. Este mesmo tempo nos fez esperar para termos um encontro pessoalmente, mas acredito que este tempo é sábio, pois a demora em nos vermos, nos fez aproveitar “nosso momento” com a dose certa de empolgação. Sem mais nem menos, na medida.

Só o tempo sabe o que é certo, o que teremos na vida, e parece que atualmente este “nosso tempo” está na fase de nos afastar. A distância se instalou entre nós novamente, mas desta vez, ainda bem, existem as boas lembranças.

Ainda não sei o que o tempo quer nos dizer, e o que ele reserva para o futuro, se é que há um futuro, só sei que neste momento ele me deixa com saudades... muitas saudades!

Abraços!

21 de fev de 2011

A Magia da Tv

por Jucemara Oliver


A televisão é uma caixa de fantasias e realidade. Temos ela em nossa casa como se fizesse parte da família.

Quem de nós já não se emocionou, riu, ficou irado assistindo um filme, uma novela ou um tele jornal? Nem tudo que vemos é real.

A televisão tem o poder de nos fascinar com uma estória de novela, nos apegamos tanto que por vezes deixamos até de fazer algo importante só pra não perder mais um capítulo. Personagens às vezes se confundem com a realidade.

A televisão é simplesmente mágica com o poder que ela exerce em nos fixar por horas em frente sua tela. Toda criança imagina conseguir atravessar a tela só pra viver como uma princesa ou um príncipe no conto de fadas.

Não importa a idade que se tem, sempre vai querer apertar o botãozinho e se deixar levar. Ela sabe seduzir.

Pra varias pessoas ela é sua única companheira.

A TV é mesmo mágica, com sua magia nos leva a mundos diferentes que talvez jamais conheceremos.

20 de fev de 2011

Fenômeno

por Jorge Romero


Domingo passado tivemos uma surpresa triste. Um jogador pra lá de fenomenal anunciou sua aposentadoria. No dia você nem pensa muito, mas depois você fica com aquela sensação de um vazio grande de não ver mais Ronaldinho (ainda o chamo assim, fica mais carinhoso) fazer aquelas jogadas da década de 90, não muito comum nestes últimos anos, mesmo assim fazendo golaços que nos encantam.

Ronaldinho surgiu numa época em que tinha pouca idade e indo para Copa do Mundo, comum a comparação com o rei Pelé, mas outra coisa me chamou atenção, além do futebol, sua humildade não muito peculiar dos jogadores. Ele parece aquele primo, vizinho ou colega que frequenta sua casa, encontra na rua e você conversa horas.

Outra coisa, apesar de alguns escândalos, parece muito bom moço, em qualquer coletiva ou exclusiva responde tudo com muita paciência e dedicação. Fora a ajuda humanitária.

Fora do peso sim, mas todos sabíamos, como o jornalista Jorge Kajuru contava depois da copa de 98, ele usou medicamentos que mudou muito sua rotina e com isso ganhou uma barriguinha?!? Que não tirou seu bom humor.

Outra qualidade é o carisma. E que carisma. Consegue a atenção de todos só com sua presença.

Ninguém é insubstituível, mas tem pessoas que fazem toda a diferença. Sou da geração que viu o fenômeno jogar, encantar e emocionar com vários tipos de cabelo, títulos, matérias, dribles e superação que nunca deixou de existir na sua vida.

Bom domingo!

18 de fev de 2011

Ronaldo Luís Nazário de Lima

por Mariana Perez


Desde a minha estreia aqui no blog, já tinha dito ao Marco que gostaria de fazer um texto referente ao novo jogador do meu time. Pelo Corinthians, e por ele, que particularmente eu acredito que seja (sei que haverá discórdias!) o melhor jogador que vi nos campos.

Eu sei que muitos irão dizer que tivemos Pelé, Garrincha, Romário, ou até mesmo os internacionais e atuais como Lionel Messi de nossa “amada” Argentina. Mas fora o baixinho, eu nunca assisti nenhum dos outros jogando, e por esse feito, assim Ronaldo acaba sendo meu modelo de jogador perfeito.

Não digo isso somente pelas três vezes em que foi considerado o melhor do mundo, mas acredito que dentro daquela máscara de pai, filho, jogador, homem que tem o nome envolvido com escândalos de transexuais, mora alguém com um coração bom, limpo e brasileiro.

Sou uma torcedora e admiradora, consciente em perceber que realmente ele já não trabalhava mais tanto assim pelo meu time do coração, e que as cobranças em cima do “fenômeno” eram cada vez maiores pela carreira que ele acabou conquistando.

Hoje, presto minha homenagem a Ronaldo Luís Nazário de Lima, sem nenhum tipo de ressentimento pelo que ele não pode fazer ao Corinthians, mas ao brasileiro que trouxe dignidade e alegrias ao nosso futebol de sonhos!


Um final de semana iluminado ♥

17 de fev de 2011

Surdo, cego e mudo!

por Marco Nascimento


Queria às vezes poder ser surdo.
Para que assim não pudesse ouvir suas palavras,
Que entram em meu ouvido, e ferem meu coração.

Queria às vezes poder ser cego.
Para que assim não pudesse enxergar você,
E não desejar estar ao teu lado sempre.

Queria às vezes ser mudo.
Para que assim não pudesse dizer o que se passa em meu coração,
E não revelar o que eu sinto por você.

Queria às vezes poder não ter sentimentos e pensamentos.
Para que assim não pudesse amar você,
Para que assim não pudesse pensar em você,
E com isso, não sofrer por amor.

15 de fev de 2011

Será isso o amor?

por Marco Nascimento


Será o amor,
Que me traz a dor;
Que me traz a saudade;
A infelicidade?

Que me traz a solidão;
Brinca com meu coração;
E me deixa sem chão.

Que me deixa sem esperança;
Só me faz ter lembranças;
E me faz chorar igual criança.

Que me tira o sorriso;
Esconde o meu brilho;
E me deixa sem alívio.

Será isso o amor?
O sentimento de dor e confusão;
Alegria e tristeza;
Que faz bem e mal ao coração.

14 de fev de 2011

Desigualdade

por Jucemara Oliver


Infelizmente a desigualdade esta por todos os lados. Um tem muito e outro nada tem. Seria muito bom se todos vivessem em igualdade, sem discriminação, sem a lei de quem pode mais.

As pessoas que pouco tem costumam sempre dizer que se tivessem mais ajudariam o próximo.

Será mesmo?

A maioria das pessoas se preocupa unicamente consigo mesma, vivem reclamando da vida e esquecem que sempre existem pessoas que estão em piores condições do que ela mesma.

Os governantes não se importam com ninguém, a não ser com o próprio bolso.

Estas na hora de todos começarem a pensar mais no próximo, se não podem ajudar com bens materiais, podemos ajudar com trabalho solidário, com um sorriso, com um abraço.

Vamos começar com nós mesmos, e partilhar as coisas boas que temos para oferecer, sem esperar nada em troca.

A melhor recompensa vem com um sorriso.

13 de fev de 2011

A arte de gastar

por Jorge Romero


Hoje dia de ir ao shopping, local que eu particularmente adoro, apesar de não gastar e para ser bem franco, sou econômico.

Alguns escolhem o domingo e vão as compras, mas será que compram o que realmente é necessário?

Tenho a impressão que não, porque só de lerem à palavra liquidação, saem comprando e depois nem sabem o que farão com o produto adquirido.

Com certeza já ouviram falar dos consumidores compulsivos. Eu tenho uma amiga que tem nada menos que 100 pares de sapatos, outra com 60 bolsas e um amigo, sim do sexo masculino, e para não falarem que compulsão é só coisa de mulher, com 30 carteiras. Não usam nem um terço desta coleção.

Dinheiro de borracha é outro fator que ajuda nestes gastos enormes. Não vê o dinheiro sair e gasta cada vez mais, por isso cortar os cartões de crédito é uma boa maneira de diminuir os custos. Fora que se têm descontos bons com dinheiro em espécie.

Eu muito pelo contrário, gastar realmente é uma arte acho tão difícil. Compro só depois de pesquisar muito e só efetuo a compra quando tenho que ter de qualquer maneira, fora que ganho muitos presentes.

Mas vamos ao shopping primeiro pelo ar condicionado, segundo para ver pessoas e terceiro compre pelo menos um sorvete.

Bom domingo!

11 de fev de 2011

Desculpe mas eu vou chorar!

por Mariana Perez


Às vezes eu choro... Aí tá bom vai, eu choro um monte!!! Não to nem aí!

Eu choro em público, ainda que seja para o mirradinho, um espectador, ou uma multidão. Às vezes o choro se solta da gente, e aí não tem jeito. Ele precisa ganhar o mundo.

Choro sem qualquer constrangimento, diante da emoção despertada pelo filme, pela novela, pelo livro, pela canção, pela confissão, pelo outro, pela simples contemplação da possibilidade, sem me importar se estou só ou bem (mal?) acompanhada.

Chorar, para mim, é coisa séria, mesmo ao se chorar de alegria. Mário Quintana diz e me resume: “Trago-te palavras, apenas... e que estão escritas do lado de fora do papel...”. Registro o significado do choro contido em palavras escritas, poetizo as suas nuances. Não desprezo ou renego o choro compartilhado, quase o contrário: admiro quem o faz e sai de tal episódio inteiro.

Porque, quando choro, eu me despedaço no sentimento, e não importa se o choro é miúdo ou dos soluços. Choro na companhia de mim e de ninguém mais.

Mas eu não me importo se outros pensam que sou uma chorona, ou uma manteiga que se derrete antes de chegar ao final, ops, digo ao forno...

Choro porque sou eu, de cara e alma limpa... que encontrou nesse ato, a forma de manifestar os meus sentimentos mais verdadeiros.


Um final de semana iluminado ♥

10 de fev de 2011

O baile!

por Marco Nascimento


Baile de formatura, pra mim, sem dúvida, é a melhor festa que existe no mundo. Isso em comparação a qualquer outro tipo de confraternização entre pessoas. Mas também, não poderia ser diferente né!?

O baile marca o fim de uma longa e difícil trajetória. Todos ali estão comemorando pelo mesmo motivo, a conquista de mais uma etapa na vida de uma pessoa. Nesta noite não há preocupações, disputa ou rivalidade, a não ser pelo modelo de vestido ou gravata mais bonita (risos), mas o que impera, o que manda, é a alegria e o sentimento de dever cumprido.

Os donos da noite, no caso, os formandos, demonstram em cada gesto a alegria de ter conseguido passar por provas que lhes tiraram noites de sonos, que lhes roubaram finais de semana de baladas, ou momentos com a família. Os pais estampam na cara a alegria de ver o filho vitorioso. E os amigos o orgulho de poder compartilhar este momento importantíssimo.

O baile é mais do que uma simples festa, mais do que protocolos a serem cumpridos, mais do que um jantar chique onde todos (ou quase todos) usam trajes de gala. O baile é o momento de lavar a alma, pensar no futuro e dizer “- Eu consegui!”.

Mas também se deve pensar que este é o fim de uma etapa, mas o início de uma outra. Então você que não está estudando, faça isso, estude. Você que já está na faculdade, não desista. E pra quem já é formado, não pare por ai.

Abraços!

8 de fev de 2011

Todo ano!!!

por Marco Nascimento


Administradora por formação e manicure, pedicure, recuperadora de crédito, cantora, coordenadora e cabeleireira por opção. A menina multifuncional além de ser pau para toda obra, ainda encontra tempo para ser amiga a qualquer hora.

Seu jeito sério de mulher abre espaço para a inocência da menina, quando seu sorriso de criança invade o ambiente.

Palavras doces de consolo se misturam ao mesmo tempo com a dura realidade do mundo quando a administradora entra em ação, tentando nos ajudar a administrar nossas vidas e o coração. Aquele ombro amigo está ali, nos aconselhando e nos apoiando, às vezes criticando, tentando assim coordenar aquilo que não conseguimos.

Seus sonhos fazem com que imaginamos que não vivemos em um mundo real, mas seus pés no chão nos mostram que a vida não é apenas um rascunho (sem brigas em Marco e Mariel), onde podemos escrever alguma coisa, amassar e jogar fora depois, mas sim uma folha em branco, onde escrevemos nossa história todos os dias, e que mesmo errando, não podemos amassar e jogar fora, por isso os planos são importantes, sonhar é bom e planejar é tudo. Mas não devemos seguir tudo a regra, pois como dizem, toda regra tem uma exceção, e quebrar regras às vezes é bom.

No dia em que completa mais um ano de vida, agradeço a Deus por ter te colocado em minha vida, por poder dividir contigo momentos de Mc Donald’s e sorveteria, de poder dividir sorrisos e lágrimas, de poder compartilhar segredos e poder dizer que você, Débora Targa, ou Débora Targarela para os íntimos (risos), foi, é, e sempre será minha amiga.

Feliz Aniversário!!!

Ah, quero aproveitar e também desejar Parabéns a mãe da Déh, que todo ano faz aniversário uma semana após o dela. Mas é todo ano mesmo... (risos)

Abraços!

6 de fev de 2011

Ouvir e se emocionar!

por Jorge Romero


Música pra mim mais do que diversão e acredito que para muitas pessoas. Mais do que na orelha, toca no coração. Gosto de ouvir música desde pequeno. Para se ter uma idéia, escutava tanto o LP do “Bozo” que até arranhou. Gostava tanto que meus pais me deram 4 discos iguais.

Música traz recordação agradáveis. Tem gosto, cor e forma.

No Brasil tem muitos ritmos. Nem gosto de todos, mas não existe música ruim e sim momentos diferentes.

Som que vem com dança é mais especial, pena que nem todos sabem dançar.

Som bom é no último volume, mas claro que depende da música e principalmente dos seus vizinhos. Tem música que bom só no MP3 ou 4, 5, 6...

Coisa chata é achar que só música internacional é boa. Isso já foi também, ficou nos anos 80.

Minha música preferida por um momento bem específico e especial é “Fogo”, do Capital Inicial. Meus intérpretes favoritos são Ana Carolina, Marisa Monte, Seu Jorge, Exaltasamba, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Skank, Maria Rita e Rita Lee.

Então como hoje é domingo, aumente o som e deixe a música fluir em sua vida.

Ótimo domingo!

4 de fev de 2011

Eu precisava dizer...

por Mariana Perez


♪ Quando a gente conversa
Contando casos, besteiras
Tanta coisa em comum
Deixando escapar segredos
E eu não sei que hora dizer
Me dá um medo, que medo

É que eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
É, eu preciso dizer que eu te amo tanto

E até o tempo passa arrastado
Só pra eu ficar do teu lado
Você me chora dores de outro amor
Se abre e acaba comigo
E nessa novela eu não quero
Ser teu amigo

É que eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
É, eu preciso dizer que eu te amo tanto

Eu já nem sei se eu tô misturando
Eu perco o sono
Lembrando em cada riso teu
Qualquer bandeira
Fechando e abrindo a geladeira
A noite inteira

Eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
Eu preciso dizer que eu te amo tanto... ♫
(Bebel Gilberto/ Cazuza)

Um final de semana iluminado ♥

3 de fev de 2011

Quem escolheu fui eu?

por Marco Nascimento


Alguns dizem que é opção. Outros acham que seja condição. Eu tenho uma opinião, mas com tanto encontro e desencontro de informação, às vezes até eu me perco em minha própria opinião. Quando isso acontece, fique sem resposta para minha pergunta:

- Foi eu quem escolheu, ou nasci condicionado a isso?

É lógico que a vida é feita de escolhas. Podemos escolher em qual colégio estudar, qual o volume que deixaremos o som ligado, além de qual programa de TV iremos assistir. Escolho o sabor do sorvete, o caderno que levarei na faculdade e até qual cor de roupa vestir.

Mas espera aí!

Será que todos os nossos gostos e vontades somos nós que escolhemos? Será que nada já está condicionado em nosso DNA desde que nascemos, e só temos a opção depois de escolher se iremos ou não querer e conseguir vivenciar aquilo?

Eu hein, que pergunta difícil...

A pergunta é difícil, talvez tenha até uma resposta, porém a explicação deve ser complexa. Mas se alguém conseguir explicar, por favor, me avise.

Queria entender se eu escolhi ou fui condicionado a gostar tanto de tomar leite com Nescau e de achar que batata frita é a coisa mais gostosa do mundo. Se o MC Donald’s foi algo que já veio em meu DNA ou eu que optei amar muito tudo isso.

Se eu que escolhi gostar tanto de Sandy e não gostar de Wanessa (ex-Camargo). Se o querer acelerar com a Ivete foi algo condicionado ou optativo. Se o jornalismo, a profissão que quero pra mim, foi mais uma escolha (que eu amo) ou condição imposta por sei lá quem.

Bom, ainda vou dormir com estas dúvidas. Ainda não encontrei a resposta por gostar tanto de umas coisas e não de outras. Se eu que escolhi ou se já nasci com um pacote de gostos e vontades condicionados a mim.

E agora, quem poderá me responder?

Abraços!

1 de fev de 2011

A Novela do Beijo!

por Marco Nascimento


Foi na novela “Sua Vida me Pertence”, em 1951, que o primeiro “escandaloso” beijo foi encenado na TV brasileira. Vida Alves e Walter Forster foram os responsáveis pela cena que causou polêmica na primeira telenovela do Brasil. E quase 60 anos após esta cena, o beijo está de volta envolvido em uma nova polêmica.

A polêmica da vez é de quando será o primeiro beijo gay da nossa TV.

Sim, o primeiro.

Mesmo com pouco mais de 60 anos de história, a TV brasileira ainda não teve um beijo gay e tudo indica que não ocorrerá tão cedo. Mostra do preconceito ou da hipocrisia brasileira?

Para quem escreve a desculpa é não conseguir a classificação indicativa para a novela ou seriado. Para quem assiste, a resposta seria um simples e cruel preconceito.

Personagens gays já são presenças garantidas em diversas novelas, e eles fazem sucesso, mas o beijo, esse ainda é um mito a ser quebrado. O tão ensaiado beijo gay em novelas já até chegou a ser gravado, mas a cena da novela América, em 2005, não foi ao ar.

É engraçado como no Brasil as pessoas gostam de esconder ou maquiar as coisas. Eu só queria entender o que o fato de ocorrer um beijo gay pode mudar no caráter de uma pessoa.

Acorda Brasil, vamos nos livrar deste preconceito, ou melhor, desta hipocrisia que nos afeta. Quando seremos melhores para aceitar as diferenças entre as pessoas?

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos...

Abraços!