30 de nov de 2010

Mais do que eu queria ver!

por Marco Nascimento


A poeira “levantada” pelo carro já anunciava, o asfalto ficara para trás e agora estávamos trafegando por uma pequena estrada de terra. A frente só se via um caminho de terra batida. Dos lados havia apenas árvores, pasto e algumas cabeças de gados. Atrás uma nuvem marrom, era a tal poeira que o carro levantava.

Quando chegamos ao nosso destino, a frente havia uma pequena porteira de madeira. Ali já pude ver a precariedade ou se preferir, a simplicidade do lugar.

Do lado esquerdo uma casa, onde ao invés de paredes de tijolos, havia madeiras e lonas. O telhado também era de lona. Do lado direito havia um grande pasto, com várias cabeças de gados. A minha frente uma árvore, um grande campo coberto de mato, entulhos amontoados e uma casa em construção. Esta sim, de tijolo.

Senti-me perdido.

Aquele lugar não era onde eu queria estar. Tudo era muito estranho pra mim. Me sentia um peixe fora d’água, ou melhor, um boi fora do pasto.

Eu sou da cidade. Eu quero a cidade. Quero carros indo e vindo. Quero barulho de buzinas. Quero pessoas passando e conversando. Mas enfim, já estava ali, não tinha como ir embora, então, vamos tentar curtir.

Comecei a olhar cada parte daquele lugar de forma mais serena, de outra forma. Deixando de lado o pré-conceito que eu já havia “colocado” em minha mente.

Depois de um depoimento emocionante daquele senhor que batalhou muito para ter aquele pedaço de terra, suas cabeças de gados e um lugar para chamar de seu, vi que aquela precariedade, ou simplicidade, na verdade era um sinônimo de luta, batalha, que no final seria de vitória.

Aquela casa de madeira e lona era mais do que uma humilde construção. Era um lar, um refúgio. Aquelas cabeças de gado eram mais do que simples animais, eram o sustento da família, o “emprego” daquelas pessoas e até um exemplo de vida. Sim, um exemplo. A forma com que “Mimosa” cuidava de sua cria era espetacular. Um exemplo a ser seguido por muito ser humano. Aquele amontoado de entulho tinha este significado só pra mim. Cada coisa ali tinha seu significado, sua importância. Um motivo para estar ali.

É, além daquela porteira não havia somente simplicidade, mas sim muitos ensinamentos. Bastava eu olhar além do que eu queria ver.

Hoje posso dizer que sim, sai melhor daquele lugar. E confesso, quero voltar lá.

Abraço!

29 de nov de 2010

Caminhos

por Jucemara Oliver


No começo é tão difícil escolher somente um, mas o importante é sempre andar pra frente pra um dia olhar para trás e dizer: 'Faria tudo novamente'.

Tive dias tão turbulentos.

Sofri tão desesperadamente por pessoas que até hoje não sei se mereceram. Fui tão julgada por erros que nem cometi, às vezes por não me conhecerem realmente, mas 'os que me julgaram errado eu só lamento' ♪ (: vontade de mudar de Cidade, Estado, País, Planeta... não me faltaram.Parecia que eu tinha caído de Para- quedas, não tinha rumo.

A falta de tempo para mim mesma quase me matou. Minhas paixões estavam sempre ficando de lado. Nunca conseguia assistir um jogo do meu time, meus amigos quase nem conseguia ver.

Apenas trabalho e mais trabalho.

Afastei pessoas que não me faziam bem, joguei fora lembranças que só me machucavam. Briguei porque não achava certo e chorei por saber que estava errada. Assumi cada ato meu.

Mudei TANTO, cresci TANTO! e não me arrependo de nada

Conheci tanta gente nova, troquei tanta informação. Aprendi a lição.

Cresci, não dou mais ouvidos para qualquer um.

Recalcados SEMPRE vão existir, o segredo é manter distância deles.

Os que se achavam juízes, eu deixei pra lá, um dia eles enxergam que eles eram os condenados.

Perdi pessoas importantes demais pra deixar isso acontecer novamente,

Aprendi a dar valor.

“Amigo é amigo, companheiro é companheiro”?

Eu tenho os melhores amigos que uma pessoa poderia ter.

Comecei a cuidar mais de mim, guardar mais tempo para mim.

As regras? As regras sou eu quem faço, e não me privo de mais nada.

Agora eu sei andar sozinha, não me sinto mais deslocada.

Perdoar é divino e agora eu sei.

Tenho saudades das pessoas que passaram na minha vida e arrependimento por deixar muitas delas saírem.

Pedir desculpa muitas vezes não é o suficiente, mas às vezes é o máximo que se pode fazer.

As coisas mais importantes que aprendi foi que distância não abala amizades,

Que amor verdadeiro não se apaga com o passar dos dias, nem com a ausência da pessoa amada e que fugir dos problemas não é a solução.

HOJE eu aprendi a aproveitar a vida, a dar valor as pessoas queridas e sei que uma pessoa solitária não é ninguém.

NÃO tenha medo de errar, tenha medo de não tentar!

28 de nov de 2010

Novidades!!!

O Rio Contra o Crime

por Jorge Romero


Algumas semanas comentei sobre o sucesso “Tropa de elite” e principalmente sobre a triste realidade atual do Rio de Janeiro. Eis que esta semana a bomba estourou. Para quem mora na cidade, o clima era assim faz tempo, mas como tudo por aqui gera violência, ela veio à tona.

Mas desta vez “tá” diferente, a população com medo, mas confiante na ação policial. Talvez tenhamos um herói, o capitão Nascimento, e com isso a força que faltava para enaltecer este brilho do policial honesto. Aquelas palmas do complexo do Alemão mostraram quem manda. Como mostrou a capa do “Extra”. Outro ponto positivo é colocar as forças armadas, isso ajuda a fortalecer a polícia e a identificação.

Tudo bem que a Rede Globo e a TV Record mostraram demais, e podem ter atrapalhado algum andamento, mas também ajudaram a desmentir os boatos que alguns desocupados emitem.

Se preocupar com a copa e as olimpíadas é válido, mas é pouco vendo cariocas tão aflitos.

Imagens impressionantes da Rede Globo, com aqueles bandidos correndo, mostraram como eles estão acuados.

Com isso, esperamos que o bem vença, porque cidade violenta tem em todo mundo. Com tudo isso, pedimos paz para esta cidade que continua maravilhosa.


Bom domingo!

27 de nov de 2010

O Amor

por Rafa Batista


Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção:
Pode ser a pessoa mais importante da sua vida.

Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta:
Pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.

Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d'agua neste momento, perceba:
Existe algo mágico entre vocês.

Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça:
Deus te mandou um presente divino - o AMOR.

Se um dia tiverem que pedir perdão um ao outro por algum motivo e em troca receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos e os gestos valerem mais que mil palavras, entregue-se:
Vocês foram feitos um pro outro.

Se por algum motivo você estiver triste, se a vida te deu uma rasteira e a outra pessoa sofrer o seu sofrimento, chorar as suas lágrimas e enxugá-las com ternura, que coisa maravilhosa:
Você poderá contar com ela em qualquer momento de sua vida.

Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado...
Se você achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo ela estando de pijamas velhos, chinelos de dedo e cabelos emaranhados...
Se você não consegue trabalhar direito o dia todo, ansioso para encontrá-lo...
Se você não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado...
Se você tiver a certeza que vai ver a outra envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção que vai continuar sendo louco por ela...
Se você preferir morrer, antes de ver a outra partindo:
É o amor que chegou na sua vida. É uma dádiva.

Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida, mas poucas amam ou encontram um amor verdadeiro. Ou às vezes encontram e, por NÃO prestarem atenção nesses sinais, deixam o amor passar, sem deixá-lo acontecer verdadeiramente.

Por isso, preste atenção aos sinais!

- Não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida:

O AMOR!

26 de nov de 2010

Novidades!!!

Amanhã, último sábado de novembro, tem novidades no Ih, Falei!!!

Com apenas 13 anos de idade, Rafaela Batista passa a fazer parte da equipe do blog, tendo seu primeiro texto, “O Amor”, publicado neste sábado, 27, às 08:00.

Com grande expectativa, Rafaela diz o que acha de escrever para o blog:

“Muito bom, porque podemos expressar e compartilhar com os outros nossos sentimentos, coisas que queremos fazer ao longo de nossa vida, e varias outras coisas.”

Ela ainda deixa um recado aos leitores do Ih, Falei!:

“Espero que gostem dos textos que irei escrever.”

É isso ai Rafaela, seja bem vinda!!!


~> Ah, não se esqueçam, o primeiro texto da Rafaela será publicado neste sábado, 27, às 08:00.


Leiam e comentem!!!

Aquele abraço!

por Mariana Perez


Abraço: Infinitivo impessoal, abraçar; Gerúndio, abraçando; Particípio, abraçado; Imperativo afirmativo, abraça, abrace, e abracemos;... E eu abraço o mundo se puder!

Ás vezes eu me pergunto, fico horas pensando, queimando neurônios pra tentar descobrir ou desvendar a santa alma que inventou esse negócio aí de entrelaçar braços, que faz com que perdemos o chão, os sentidos, e sentimos o coração do outro batendo.

Eu, particularmente sou suspeita pra falar... Abraço as flores, abraço cachorro, abraço a tia da limpeza do escritório, abraço a minha mãe (mesmo ela estressada), abraço meus bons e velhos amigos, abraço a música, abraço o dia que começa...

Com graça e bom humor, faremos que esse ato não seja só lembrado em aniversários, ou na virada do ano, mas na nossa vida.

E quando ele vem no momento, e de uma pessoa que a gente nem espera... Ah, aí sim é possível ver sentir todas as cores do arco iris.

Mas o melhor mesmo do abraço, é o charme de fazer com que a eternidade caiba em segundos. A mágica possibilidade que duas pessoas visitem o céu no mesmo instante.

Abraçar é encostar um coração no outro...


Um final de semana iluminado ♥

25 de nov de 2010

Pessoas

por Marco Nascimento


Há anos convivo diariamente com diversas pessoas. Dividimos um único ambiente e passamos horas e horas do dia juntos. Digo até que costumo ficar mais com eles do que com meus familiares. Tempo suficiente para conhecer a cada um e aprender que realmente somos todos diferentes, e que possamos nos surpreender sempre com o ser humano. O ser racional.

Quando comecei a conviver com estas pessoas, logo de cara não gostei de algumas. Não sei explicar o porquê, mas o pré conceito fez com que eu as olhasse diferente, e me levasse a ter um carisma mais rapidamente com outras.

Mas nada melhor que o convívio, para sabermos quem é quem na verdade.

Com o passar do tempo, com as mudanças de cargos, de humor, de idade, e até de caráter, algumas pessoas se mostraram “verdadeiramente” (?) quem são, e as minhas opiniões mudaram. Aprendi quem e como são as pessoas.

Ao mesmo tempo em que podia ver alguém fazendo o bem, que via alguém ajudando o outro sem nenhum interesse, sem querer nada em troca, somente em nome da amizade, via também que algumas pessoas faziam a mesma coisa, porém buscavam algo em troca no final. Algo que a favorecesse.

Ao mesmo tempo em que via alguém se destacando por seu ótimo trabalho e competência, via também outro destaque, porém este último, “passando por cima” de quem precisasse, para que assim pudesse chegar “ao poder”.

Aprendi que conviver com pessoas não é tão fácil assim. Que é impossível, sim, impossível, agradar a todos, ou a grande maioria. Que algumas pessoas são iludidas com o poder e acham que isso é melhor que a amizade, que a convivência. Que acha que só será ouvido se gritar. Que humilhar é a melhor maneira de ensinar e corrigir um erro.

Não convivi só com pessoas más, ou enganadas pelo poder, mas também, graças a Deus, pude conviver com pessoas que me mostraram o quão bom é a amizade, o quanto o ser humano pode ser sim “humano”. Pessoas que nos acrescentam algo na vida. Nos faz feliz.

Não há como viver neste mundo sem conviver com pessoas, só precisamos ter valores e saber que o respeito para com o outro não trás benefícios somente ao próximo, mas a nós mesmos. Precisamos lembrar que as pessoas nos tratarão, assim como nós as tratamos. E que quanto mais alto chegarmos, pisando em alguém, maior pode ser o tombo, e não teremos quem nos socorrer lá embaixo.

Abraço!

23 de nov de 2010

Fases

por Marco Nascimento


Não sei o que está acontecendo, mas ouço minha mãe chorar e gemer de dor. Ouço também um rapaz dizendo: "é mamãe, chegou a hora!".

Mas que hora? O que vai acontecer? Tem alguém me empurrando aqui. Ei para. Estão querendo que eu vá pra onde. Ow, não quero ir. Não quero.

Buááá... buááá...

Tiraram-me de lá. Do lugar onde passei nove meses e era feliz.

Quem é você? Porque fez isso? Quero voltar. Não quero ficar aqui. Que lugar estranho. Tudo muito novo. Quem são estas pessoas?

O tempo passou e agora já cresci um pouco, mas ao invés de ficar no colo ou no carrinho, querem que eu ande sozinho. Porque tenho que fazer isso sozinho? Eu não quero. Isso é chato. Além de ter que andar sozinho, será que também tenho que pegar minha mamadeira sozinho?

Daqui uns dias vão querer que tome banho só, que coma só, que durma só... ai meu Deus, será que vou ter que ir ao banheiro sozinho também?

É, o que havia previsto se concretizou. Até minha chupeta tiraram. E o leite agora tenho que tomar no copo. Já ouvi falar que daqui uns dias terei que ir a escola. Uma coisa legal é que agora já sei falar.

Ai, este mundo é muito louco. Tudo muda derrepente. Todo dia é uma coisa nova para aprender. Queria tanto voltar para aquele lugarzinho quentinho onde passei meus primeiros nove meses de vida. Onde comecei a me desenvolver. Mas até que estou me acostumando com este mundão. To começando a gostar.

Depois de anos na escola, chegou mais uma vez a hora da mudança. Vou ter que deixar meus amigos e viver novas mudanças em minha vida. Disseram que chegou a hora de trabalhar. Então vamos à luta.

Entrega de currículo. Entrevistas. Conversa aqui, conversa ali. Consegui.

Hoje é meu primeiro dia de trabalho, mas não estou gostando muito. Olha estas pessoas. Olha que coisa chata. E esse cara falando no meu ouvido o dia inteiro. Ai ai ai... ainda bem que já se passou alguns meses. Agora sim, já me acostumei com o pessoal, com o serviço, e até estou gostando desta vida.

Muitos anos se passaram, e agora estou aqui, aposentado, em casa, sem muito que fazer. Minha vida agora é curtir a vida sem me preocupar em trabalhar e aproveitar meu tempo ao lado dos meus netos. Ah, falando neles, sempre digo a eles: "aproveite a vida e não se preocupe com as mudanças. Elas fazem parte de nossa vida. Sem elas, não aprendemos e não somos nada!".

Agora estou aqui, com meu neto em meu colo, e pensando, nossa vida muda todos os dias, toda a hora, e porque será que não nos acostumamos com isso, e o pior, porque será que muitas vezes não aceitamos as mudanças?

Que venha o amanhã...

Abraço!

21 de nov de 2010

Vale tudo!

por Jorge Romero


Eu como amante de novelas estou adorando ver pela 1ª vez (sim pela primeira vez, porque quando foi exibida eu só tinha 4 anos, mas me lembro de algumas coisas) este grande sucesso do Aguinaldo Silva e Gilberto Braga. "Vale Tudo" no canal Viva. Passaram 22 anos e o Brasil continua igual a trama e a música do Cazuza.

Já tivemos sete eleições diretas, um presidente impeachmado, várias trocas de moeda, operário no poder e mudanças tecnológicas e comportamentais, mas ainda nos preocupamos com a violência que antes era somente nas grandes capitais, e que agora atinge também o interior. A única diferença é que os morros cariocas citados na novela, e até hoje com problemas sociais, ganharam as telonas.

Desemprego mesmo com diploma, apesar dos gráficos mostrarem que diminuíram. Tenho certeza que todos nós conhecemos alguém que tenta, mas não consegue o tão desejado trabalho.

Inflação como antes não existe mais. Também na época do Sarney era uma loucura, estudava no colégio particular e nesta época a mensalidade aumentava todo mês. Sei por que vinha na agenda.

Drogas, um assunto antes escondido, hoje liberado só não é o consumo. Eu acho.

Mulheres já no poder, mas algumas ainda querem o famoso marido rico com o golpe da barriga.

Tanto na novela, quanto há 20 anos, e atualmente, o amor e as amizades continuam em alta. Estamos no século XXI, e agora tanto para o bem quanto para o mal, vale tudo mesmo.

Bom domingo!

19 de nov de 2010

Onde Haja Sol

por Mariana Perez


♫ ...Há quem diga que quem anda só é melhor do que ao lado de quem não te quer bem

O meu coração está cansado de ser torturado e precisa de alguém

Vou tomar o caminho mais certo vou seguir direto até onde eu quiser

Vou levar esse amor solitário tranquilo e na boa até onde eu puder


Veja só, eu podia estar ao seu lado

Mas não deu e eu não vou ficar aqui parado

To indo pra onde haja sol

Pois o meu coração é meu lar

Se você quiser ir, pode vir já guardei seu lugar

Vamos viver tudo aquilo que ainda não vivemos

Mais uma chance pro amor, pra salvar o que ainda não perdemos... ♪


Um final de semana iluminado ♥

18 de nov de 2010

por Marco Nascimento

Fã - Pessoa que tem grande admiração por artistas (de cinema, teatro, televisão, música) ou figuras populares (campeões esportivos, jogadores de futebol etc.). / Admirador.
(Dicionário do Aurélio)


Teve a Érica que quase caiu dentro de uma caçamba para conseguir um autografo do Zezé Di Camargo. A Mariana que pediu folga no trabalho e viajou para São Paulo em plena segunda-feira só para ver o U2. A Thamires que pagou mais de R$ 300 no ingresso e vai ver o Tokio Hotel.

Tem também o Marco, que viajou mais de 200 km para ver a Ivete Sangalo, e outros 350 para ver Sandy e Júnior, e o pior, neste último caso, com apenas R$ 5 no bolso. Sem falar daqueles que dormem em filas, fazem tatuagens e outras “loucuras”...

Para muitos, tudo o que fazemos por nossos ídolos são loucuras, mas para nós, Fãs, isso é apenas uma demonstração de carinho e uma satisfação própria. Afinal, não há sensação melhor do que você ouvir ao vivo sua música preferida, e ainda poder ver aquela pessoa que você tanto admira.

Tudo bem, algumas pessoas exageram, mas quem nunca fez uma loucurinha na vida?

Ser fã não é admirar alguém pelo dinheiro ou fama que ela conquistou, mas sim pelo que aquela pessoa representa a nós. A pessoa pode ser um exemplo de profissional, de educação ou simpatia. Pode representar a busca pelo crescimento, luta e vitória.

Sei que a descrição anterior não cabe a todos, mas o que eu busco, pode ser diferente do que você busca, criando ai a divergência nas opiniões, por isso você pode não concordar com estas “loucuras” de fãs.

O fato é que a vida é uma loucura, e correr atrás do que nos agrada, nos faz feliz e nos trás satisfação, é a melhor coisa de se viver. Ah, e a recompensa cabe a cada um saber se valeu ou não a pena.

Agora peço licença, pois vou para Curitiba curtir a estreia da Manuscrito Tour, a primeira turnê da carreira solo de Sandy Leah, e me proporcionar mais alguns bons momentos de alegria.

Abraço!

17 de nov de 2010

Ainda não liberdade!

por Marcelo Frazão


Aonde se foram aqueles belos sentimentos?
Onde foi que eu perdi a face sorridente?
Será que é esse o fim do feliz?

Sabe, eu até pensaria se um dia
Eu fui mesmo feliz,
Mas ai seria muita infelicidade da
Minha parte não reconhecer
Os bons momentos que tive.

Onde foi que perdi meu brilho?
Será que esse é o fim da estrela?
Pensaria sim em dizer que esse é o meu fim,
Mas não do brilho que me tornou quem eu sou.
Morre o meu eu e vive ele,
O brilho do meu nascimento.

Onde foi parar minha vergonha?
Será que é o fim do respeito?
Ah, quem dera a culpa do mundo,
Fosse somente minha,
Ai sim eu acho que eu pagaria tudo.
Mas ainda não é.
Tenho só meus erros, meus tropeços.
Deixem-me ser livre.

Pra que querer asas?
Se sei que no primeiro vôo receberei pedradas,
E flechadas da amargura e da solidão!
Porque não posso voar?
Porque ainda não aprendi a dar rasantes nas flechadas da vida!

16 de nov de 2010

Esta tal sociedade...

por Marco Nascimento


Será mesmo que nosso amor não tem espaço neste mundo?

Será mesmo que não posso sair gritando entre os carros que eu amo você?

Será mesmo que não posso escrever em meu diário que a vida me trouxe o melhor amor do mundo?

Será mesmo?

Mas... por que não?

Não posso fazer nada disso porque vivo em uma sociedade regrada, onde tenho minha vida controlada até por pessoas que não conheço, que se acham no direito de me julgar pelo simples fato de não querer seguir a mesmas regras que elas?

Não posso fazer nada disso porque esta sociedade acha errado pobre namorar rico, branco namorar negro, anônimo namorar famoso, homem namorar homem e mulher namorar mulher?

Não posso fazer nada disso porque esta sociedade que rouba, mata, cobiça, acha que caráter é definido por condição financeira, social ou sexual?

Quem ditou as regras? Quem escolheu o que é o certo ou o errado? Deus?

Sim, Ele nos deu os dez mandamentos, mas será que seguimos as regras Dele? Será que estamos aptos a julgar o próximo sem levantar falsos testemunhos? Ou só estamos querendo um lugar, um “poder”, que não é nosso?

Esta mesma sociedade que julga, que crucifixa, vive na hipocrisia de não “amar seu próximo como a ti mesmo”, só pelo fato dele não ser o que esta tal sociedade quer.

Abraço!

14 de nov de 2010

Educação: prioridade esquecida

por Jorge Romero


No último final de semana, vários adolescentes se preparavam para fazer o ENEM, e o que aconteceu todos sabem. Se vai anular ou não nem vem ao caso, mas os erros e novamente poder ter vazado algo sobre a prova já mostra certa incompetência. Descaso que está em toda educação que vinha de berço, hoje tem ótimas campanhas e programas para educar as crianças, mas os pais também precisam.

Percebo que colégio (estudo) não é prioridade, nem com 07 anos de idade. Eu sei que é chato, mas necessário.

A taxa de analfabetismo nosso Brasil é outro ponto discutível. Acredito em um número muito maior do que o divulgado. Quando fui tirar minha identidade, tinham cerca de 11 pessoas na minha frente, e pelo que percebi só eu e mais três sabíamos escrever onde a atendente grosseira e estúpida indicava. Então com este número no centro do Rio de Janeiro, o interior deve ser pior.

Os professores desrespeitados e muitos sofrem violência dentro da sala de aula, fazem parte do cotidiano. Mestre e violência são palavras que não combinam.

Outro ponto esquecido é a interação família-escola. Hoje os pais colocam no transporte escolar e os diretores nem conhecem os responsáveis, que só aparecem para saber se os filhos ficarão reprovados. Chegando o fim do ano eles aparecem com esta preocupação.

Infelizmente a educação no Brasil ficará reprovada em 2010.

Bom domingo e estudem!

12 de nov de 2010






por Mariana Perez


Essa minha paixão e sonho, já não é novidade pra todos que me conhecem...

Londres é grande metrópole da Europa, seja na arquitetura antiga de seus prédios, na vanguarda de seus jovens ou no desfile de limusines. Londres é uma verdadeira cidade cosmopolita e um tanto controversa. Une ao mesmo tempo a classe de um lord britânico com a vanguarda de um jovem punk, sem falar na elegância carregada de escândalos da família real.

Uma verdadeira “Torre de Babel” de etnias, dos quatro cantos do mundo, que se encontram por lá...

Nos meus sonhos, eu sempre imagino em cada situação, em cada ponto daquela cidade que me encanta tanto... Penso em visitar o palácio de Buckingham, pra confirmar se realmente os olhos da Rainha são cor de violeta, e assistir à troca da guarda, em uma pomposa cerimônia, que dura cerca de 40 minutos, com direito a banda escocesa e tudo mais. Penso em posar para uma foto, ao lado daqueles guardas, que não riem nem por decreto, fazendo uma gracinha obviamente.

Depois eu iria andar no ônibus vermelho de dois andares. Está certo, que hoje já não faço há muito tempo, mas eu estarei em Londres, e poderei fazer o que quiser.

Depois eu iria ao Big Ban, pra olhar o relógio mais famoso do mundo. Lembrando que ele leva esse nome não pela torre, mas pelo maior sino, com 15 toneladas.

Logo após, eu iria ao Aquário de Londres. Ele fica na Margem Sul do famoso rio, com mais de 350 espécies de peixes, e é subterrâneo. O que o torna ainda mais atraente na visitação.

Depois disso eu iria fazer uma parada rápida em alguns dos milhares de “pubs” espalhados pela cidade, esperando por alguma banda cover do Beatles, ou pararia em algum café, pra tomar o autêntico chá inglês.

Seguiria pra Bridge Tower, uma grande ponte construída no Rio Thames (Tamisa em português), muito interessante pelo seu formato e porque é sustentada por duas torres.

Eu iria também dar amendoim, aos esquilos que moram nos parques...

E pra terminar meu passeio, eu iria pra London Eye (Olhos de Londres), a imensa roda gigante que fica dentro do rio, olhar tudo o que eu sempre vejo diariamente nos meus sonhos.

Sentar por alguns instantes nas margens do rio, olhar aquela imagem bucólica de dias cinzentos, e esperar o vento bater no rosto...


Um final de semana iluminado ♥

11 de nov de 2010

O Drama das Profissões

por Marco Nascimento


Poucas pessoas sabem, ou quase ninguém, mas o Ih, Falei! nasceu após minha enorme vontade de expressar a opinião que eu tinha referente a chegada do jogador Ronaldo ao time do Corinthians, ou melhor, sobre a forma que a mídia estava tratando esta chegada.

O blog entrou no ar dia 13/03/2009 e dias depois, em 16/03, eis que minha opinião estava lá, publicada para quem quisesse ver. Na época, o assunto era futebol. Leia um trecho abaixo. (Saiba mais)

“(...)Neste último domingo mais uma rodada do Paulistão, e cadê Ronaldo? Ninguém sabe; ninguém viu.
Mano decidiu poupar o jogador, e sabe o que aconteceu? Corinthians apenas empatou; sabe de quem foi a culpa?
Dizem que a falta do Ronaldo em campo ou simplesmente no banco fez com que o time não evoluísse bem e a vitoria não tenha vindo. Então a culpa é dele! Mais uma vez o time se resumiu a Ronaldo.
Só queria entender como o Corinthians esta na vice-liderança do campeonato, já que Ronaldo só estreou a semana passada, quando o time já estava entre os quatro melhores da temporada.
Engraçado como um “time” se resumiu, de uma hora para outra, a um único jogador e esqueceram o que os outros jogadores fizeram até então.(...)”

No texto, mostrei como fiquei impressionado de como a mídia tratava o jogador como um rei, esquecendo dos demais jogadores do time. Para a imprensa, se o Corinthians conquistasse a vitória ou o empate, era graças ao Ronaldo. Já se o time paulista amargasse uma derrota, era porque o jogador não estava em campo. Em minha humilde opinião, um desrespeito com os demais jogadores.

Hoje volto a falar do fenômeno, ou melhor, de um assunto que envolve o jogador. Assim como no texto anterior, onde avisei que não sou nenhum especialista em futebol, já aviso também que não sou nenhum especialista em cinema.

Mas o que tem haver cinema com Ronaldo? Explico.

O jogador corintiano foi convidado para atuar no filme “The Brazilian”, do produtor Uri Singer. Na comédia romântica, que será rodada no próximo ano, aqui no Brasil e em Los Angeles, nos EUA, Ronaldo será um assaltante de banco e irá contracenar com a atriz Juliana Paes.

Segundo o produtor do filme, “Ronaldo concordou ontem (terça-feira, 16) em fazer o filme”, mas segundo a assessoria do jogador, o fenômeno disse: "gostei do convite, mas ainda não assinei nada".

Ok, Ronaldo é um grande jogador. Um talento. É sim um nome importante. Mas, ele é ator? Estudou para isso?

Ainda não entendi a escolha do jogador para contracenar no filme. Não sei qual o propósito de colocá-lo no longa. Só sei que se ele é jogador de futebol, e não ator. Acho que neste momento estão desrespeitando os atores, que estudam, que ralam para conseguir um lugar ao sol.

Será que é mesmo necessário colocar Ronaldo no filme?

O mercado cinematográfico está com falta de atores?

Não tenho nada contra o Ronaldo, mas sim contra quem acha que é melhor escolher alguém “com nome”, conhecido do grande público, mesmo que seja de outra profissão, do que escolher quem estudou, estuda e batalha para conseguir seu espaço.

Este é só mais um exemplo de como as profissões estão desvalorizadas, e o pior, que ainda acham isso o máximo. Triste realidade.

Abraço!

10 de nov de 2010

Cadê você?

por Marcelo Frazão


Perdi-me em um mundo cheio de espaços vãos
Cheio de caminhos que não tem volta
Idealizei um sonho em cima de você
Mas nem tinha idéia que sonhos acabam
Ou tinha e me deixei cegar de amor!
Você me deixou lá em baixo e eu tive
Que tentar encontrar o caminho para me reerguer

Não tem problema não, eu sou forte
Eu sou muito mais do que você pensa
Eu ganhei forças do nada pra enfrentar
Meu medo de não ter mais você
Enfrentei mil leões dentro de mim
E provei que você era meu vicio inexistente
O sonho mal sonhado, o perigo mais desastroso, a felicidade.
Mais banal, e o mais infeliz encontro!

Cadê você?
Droga, de novo eu aqui a procura do inexistente
Chega disso, me toquei que sonhos são bons.
Só enquanto dormimos...
Que passado é bom de ser lembrado só com fotos e boas risadas
Encontrei o caminho e cadê você?
Desculpa, você não faz mais parte de mim!
Você se foi...

9 de nov de 2010

Transforme-se no bom velhinho!

por Marco Nascimento


Ainda falta pouco mais de um mês, mas o fato é que o “Natal” está chegando. E enquanto os adultos já pensam como será a grande festa deste dia mágico e encantador, as crianças só pensam no que querem ganhar de presente do Papai Noel.

É nesta época que várias cartinhas são confeccionadas e enviadas ao Pólo Norte, onde Noel mora com sua esposa, a Mamãe Noel. Em meio à “Querido Papai Noel” ou “Ao Bom Velinho”, as crianças contam nas cartinhas como se comportaram durante o último ano e expressam ali seus mais verdadeiros e singelos sentimentos, buscando um único objetivo, realizar o sonho de ganhar seu tão esperado presente. Para muitos, o único.

É para realizar o sonho de milhares destas crianças, que os Correios criaram há mais de 20 anos a campanha “Papai Noel dos Correios”, onde a principal preocupação é responder aos remetentes das cartinhas endereçadas ao Papai Noel e promover a mobilização dos Correios e da sociedade em torno dos sonhos das crianças brasileiras.

Um trabalho encantador, porém que não pode ser realizado sem a sua ajuda.

Quando somos crianças não vemos a hora do natal chegar e ficamos nos perguntando como Papai Noel pode presentear todas as crianças do mundo todo. Ainda durante a infância não temos a resposta desta pergunta, mas na noite de Natal ficamos mega feliz com nosso presente e ainda mais encantado pelo Papai Noel, pois ele não se esqueceu de nós. Mas infelizmente esta não é a realidade de todas as crianças.

Crescemos e descobrimos que o bom velhinho é na verdade alguém que se vestiu como tal, para que nós pudéssemos ter a alegria e o encanto desta data. Descobrimos então que Papai Noel não é uma única pessoa, mas sim a união de milhares delas, que se unem para levar alegria a todas as crianças que sonham com a visita do bom velhinho.

É neste momento que temos a resposta para nossa pergunta. Papai Noel na verdade somos todos nós, que nos dedicamos a levar alegria às crianças que sonham com o bom velhinho. Que sonham ter sua cartinha atendida e seu desejo realizado.

Volte a ser criança, relembre seus momentos de espera pelo Papai Noel e da alegria quando tinha seu presente em suas mãos. Agora seja adulto novamente e vire você o bom velhinho. Leve alegria para as crianças que precisam.


Participe da campanha dos Correios, adotando uma cartinha e levando o presente até 17/12/2010, e ajude o Papai Noel a distribuir presentes e sorrisos.

Abraço!


7 de nov de 2010

Sorte sua?

por Jorge Romero


Todo mundo na vida deseja ter sorte, sim aquilo que magicamente abri caminhos e que se resolve sem grandes esforços. Mas o queria seria esta sorte?

Eu acredito em energia. Energia positiva que abri portas sim, muda rotas e faz tudo acontecer mesmo parecendo impossível, mas claro, também pode ser chamado de sorte e energia ruim tem o efeito contrário. O que seria o azar, que óbvio ninguém quer e alguns nem pronunciar.

Nossa sociedade adora dizer fulano tem muita sorte, olha seu emprego. Consegue tudo. Mas não consegue ver que tem trabalho, esforço e muita dedicação e em termos sim, uma pitada de bons pensamentos, mas falam em sorte para diminuir o outro.

Somos o que pensamos. Uns acham besteira, mas adoro livro de auto-ajuda, faz você rever situações que seria explosiva e estressante, e avaliações do que você adquiriu para sua vida.

Nosso cérebro comanda tudo. Perdi uma conhecida há 03 semanas porque ficou infeliz e perdeu a vontade de viver e acabou contraindo uma doença. No nosso último encontro, há 02 anos, falei exatamente assim para ela: “dá a volta por cima menina, tira essas besteiras da cabeça vai passear, trabalhar ser feliz”.

Mesmo que algo não dê certo não significa que você tenha azar, e sim é só uma fase que vai passar.

Então bom domingo, ótimos pensamentos e boa sorte!

5 de nov de 2010

Que venham os sonhos perdidos...

por Mariana Perez


Quando eu tinha 3 anos, minha mãe ia me buscar todos os dias no parquinho. Mesmo eu estando toda suja, com as orelhas cheias de terra, na volta, ela sempre passava em uma padaria que tinha no caminho, e sempre comprava pra mim, um Diamante Negro.

Sonho dos 3 anos: Um Suflair Branco, que era o dobro do preço do Diamante Negro.

Quando eu tinha 5 anos, não perdia a um só capítulo da Xuxa...que descia toda imponente em sua nave, e que me fazia chorar sempre quando ela fosse embora, porque acreditava que ela não fosse nunca mais voltar.

Sonho dos 5 anos: Participar de um café-da-manhã com a Xuxa.

Quando eu tinha 7 anos, ia para o sítio da Tia Bela, molhar o pé na lagoa onde as vacas bebiam água.

Sonho dos 7 anos: Andar a cavalo no sítio da tia.

Quando eu tinha 8 anos, o meu sonho foi realizado por completo pelo meu pai. Eu queria muito uma bicicleta rosa da Ceci... Caríssima na época, de cestinha na frente. Ele comprou uma bicicleta em um ferro-velho, e pintou de spray Pink a minha nova diversão... E eu fiquei feliz da vida.

Quando eu tinha 10 anos minha mãe comprou, junto com os materiais escolares daquele ano, várias canetas Bic coloridas.

Sonho dos 10 anos: Uma “caneta gel” de cada cor.

Quando eu tinha 13 anos, fui considerada a melhor jogadora, do time de handebol feminino da escola.

Sonhos dos 13 anos: Ganhar uma medalha.

Quando eu tinha 15 anos, fui ao Shopping e comprei 2 pares de sapatos, de uma só vez.

Sonho dos 15 anos: Comprar 3 pares (rs!).

Quando eu tinha 18 anos eu tirei carta de motorista.

Sonho dos 18 anos: Ser uma boa motorista, mesmo meu pai tendo que aumentar o muro de casa.

Quando eu tinha 20 anos, queria muito conhecer Londres, e me formar em psicologia.

Sonho dos 20 anos: Eu ainda não realizei.

Quando eu tinha 21 anos, a Teca ficou cega totalmente, e parcialmente surda.

Sonho dos 21 anos: Queria que ela nunca fosse embora

Hoje eu tenho 23 anos...

Sonho dos 23 anos: Ser feliz!

Um final de semana iluminado ♥

4 de nov de 2010

Saudades...

por Marco Nascimento


Hoje acordei sentindo saudades...

Não sei explicar o que sinto, afinal, estou em uma mistura de sensações, querendo chorar e sorrir, voltar e seguir em frente, gritar e calar. Sei lá, não dá para explicar. Até porque, a própria palavra, saudade, não tem definição.

Sinto saudade da mudança que ainda não aconteceu. Dos momentos de risadas que não saem da minha cabeça. Dos amigos que fiz. Dos segredos trocados. Dos rascunhos compartilhados. Dos almoços improvisados. Das coisas que aprendi.

Sinto saudade da minha infância. De como era bom acordar tarde, brincar na rua, me divertir. Saudade de “construir” cidades ao riscar o chão com giz. De brincar na chuva sem me preocupar em ficar gripado. De comer a sobremesa antes do jantar.

Saudade de sonhar com o futuro e fazer planos. De achar que a vida adulta era fácil. Que era preciso apenas estudar e trabalhar, assim ganharia muito dinheiro e poderia comprar minha casa, meu carro e fazer todas as viagens que gostaria.

Saudade de quando imaginava que casar era só ir à igreja com trajes de gala, dizer sim na frente do padre, receber os cumprimentos, festejar e depois ir para a lua de mel. Saudade de imaginar como seria meus filhos e qual nome daria a eles. Sim, eles. Imaginava no mínimo dois.

Também sinto saudade de você. Dos planos que fazíamos juntos. De como imaginávamos que estaríamos, juntos, depois de dez, vinte ou trinta anos. Das vezes que dizia em meu ouvido “eu te amo”. Essa saudade dói...

Sim, a saudade também pode ser dor. A dor do amor que se foi. Do amigo que não está mais ao nosso lado. De alguém que não está mais nesta vida. Mas, a dor acaba se transformando, pois, a saudade nos faz lembrar tudo daquilo que um dia nos fez feliz.

A saudade nos faz viajar ao passado, relembrar de pessoas, reviver momentos e ver o quão bom foi viver a vida e ter estes momentos inesquecíveis na memória.

No final, a saudade sempre nos trás um sorriso.


“A saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar”
Rubem Alves


Abraço!

2 de nov de 2010

Encicoplédia

por Marco Nascimento


Quem nunca falou algo errado que atire a primeira pedra, mas tem gente que se supera, e todos os dias nos dão o prazer (?) de ouvir uma nova pérola, ou a tristeza de ver como nossa língua é “assassinada”. Mas com este ato de distração, pelo menos é assim que prefiro pensar que seja, algo trágico, acaba tornando-se engraçado.

Abaixo, irei relatar várias pequenas história, de algumas pessoas que já fizeram com que eu sentisse a alegria de dar um pouco de risada, porém, ao mesmo tempo, a tristeza de ver nossa língua “humilhada”... (risos).

É utilizando nomes fictícios que começo contar o dia que resolvi sair com uma amiga, onde ela me disse que iria a cidade comprar um “Night Bruek”. Até eu entender o que ela realmente queria – um notebook –, levei um tempo, mas depois pude entender o “poblema” dela em não saber qual modelo e marca comprar.

Durante nosso passeio encontramos a Ana, que estava com um “pobrema” também, mas o dela era mais fácil, apenas queria ajuda para escolher a cor da tinta do cabelo, pois queria fazer um “esclarecimento” em suas madeixas. Na verdade era um clareamento.

Depois da dúvida cruel de Ana, Gabi teve uma ideia e disse: “Ana, ‘a gente vamos’ ali comer alguma coisa e decidimos qual cor você passa”.

Chegando ao restaurante, pensei que os erros parariam por ali, mas não. Ana resolveu contar da reforma que Fábio estava fazendo em sua casa e contou com alegria “das telha”, “dos vidro” e “das torneira dos quarto das criança” que haviam comprado. Empolgada com a história da reforma, Gabi resolveu dar uma dica a Ana e perguntou: “e ‘se você fazer’ um lago?”.

Meu coração quase parou. Minhas pernas tremiam. Mas os erros não terminavam.

Ana resolveu contar que precisava comprar “novas cadeira”, mas teve sua fala interrompida por seu celular que acabara de tocar. Ao desligar, apavorada, disse-nos que seu sobrinho teria que operar as “mandíbulas”. Consegui acalmá-la assim que expliquei que a operação das amídalas é tranquila.

Antes de sair do restaurante ainda fomos contemplados com mais uma pequena falha de português. Ao questionar o valor da conta, ficamos sabendo que havíamos gasto “dez real”. Gabi ainda pegou um “chicrete”, subindo nossa conta para “onze real”.

Após uma tarde de novas palavras, ainda tive a surpresa de saber que Leandro não sabia quem era e o que fazia Barack Obama. Quase que sem paciência, disse a ele que era somente o presidente dos Estados Unidos. Com uma cara de paisagem sem vento, ainda quis contestar por eu achar errado ele não saber quem era “esse tal de Obama”.

Tudo bem, a língua portuguesa realmente não é fácil, ninguém precisa conhecer e saber de tudo, mas espero que esta coisa de erros não pegue “ni mim”. "Entendiu?".

E aos erros e acertos, viva a Língua Portuguesa!

Abraço!


Obs.: O nome deste post é mais uma palavra errada, que foi pronunciada por uma pessoa que queria montar uma enciclopédia com as demais palavras erradas.