31 de jan de 2012

Engano meu!

por Marco Nascimento


Cresci achando que o céu fosse sempre azul, o sol amarelo e que o arco íris sairia após todas as chuvas. Que “bom dia” seria pronunciado por todos em todas as manhãs, “boa tarde” todas as tardes e “boa noite” todas as noites. Que “obrigado” sempre finalizaria uma troca de gentilezas, e “por favor” viria antes de um pedido.

Achei que os pais sempre amariam seus filhos e vice versa. Que amizade não seria trocada por dinheiro ou classe social. Que caráter fosse mais importante que sexualidade, religião ou cor.

Achei que as florestas seriam sempre verdes, os rios limpos e os pássaros livres. Que os cachorros fossem o melhor amigo do homem, e o homem o melhor amigo do cachorro.

Cresci achando e acreditando que educação fosse algo natural e que todos tivessem ou ao menos procurasse ter, mas engano meu. Achei que o mundo, ou melhor, as pessoas fossem sábias o suficiente pra viver em uma sociedade limpa e respeitosa, mas, mais uma vez me enganei.

Triste ser (des)humano!!!

Abraço!

Ih, Falei!

28 de jan de 2012

Amor em canções!

por Marco Nascimento


Primeiro era vertigem, como em qualquer paixão;
logo mais era um vício, me arrasando pelo chão...
Ilusão, imaginar você pra mim;
você já mais me olhou, se quer pensou que meu olhar fosse de amor.
Ela via o mundo, ele via o mundo, viam sob a mesma luz;
isso é tudo, e era tudo que havia entre os dois em comum.
Meu olhar decora cada movimento,
até seu sorriso me deixa sem graça.

Não ligue pro que eleS vão falar,
ninguém está aqui no meu lugar;
Não sentem o que eu sinto por você,
ninguém entende nada, eles nunca vão saber.
I will be forever loving you...

E apesar de ser tão claro, eu, não consigo entender;
E apesar de ser tão imenso, cabe em mim,
O mundo que você me deu.

É, você está em todos os momentos que eu vivo, que eu desejo;
É, você impregnou na minha carne, nos meus sonhos...
Eu não sei explicar este amor que nasceu,
Está em mim, é seu...
te amo!

Parabéns Sandy!!!

Super abraço!

* Trechos das músicas: Casa, Ilusão, Ela/Ele, Quando Você Passa, Alguém Como Você, Love Never Fails, Perdida e Salva, Tudo Pra Você e Outdoor. Todas já cantadas por Sandy.

Ih, Falei!

27 de jan de 2012

Nota de agradecimento!

por Mariana Perez


Irei agradecê-los pela ordem que estavam na mesa...

A Sheila, ao Rogério e o Enzo... A Sheila que ficou correndo atrás do Enzo, e o Rogério sentado tomando sua cerveja gelada!

Ao Seu Carlos e Rose... Ele que infelizmente não passa mais pela nossa porta do escritório fazendo aquela cara feia, mas que me deu o prazer de sua presença em 6 meses trabalhando juntos!

A Ana e o Allan... Ela que veio com toda sua sutileza e amizade, e ele com toda a inteligência que Deus lhe deu, acabou ganhando um espaço significativo no meu coração!

A Ivy e a Fátima... Minhas grandes amigas da 7º série, que há tempos eu não via, mas que quando chegaram tive a impressão que o tempo nunca passou!

A Juliana e ao João Mario... Ela que acha que é a Sandy pra querer chegar depois de todos no evento, e ele que vai pro céu por aguentar as chatices dela que nos faz rir todos os dias!

A Luciana e a Regiane que deram uma passadinha rápida, mas que mesmo assim ainda me fizeram lembrar de bons tempos!

A minha querida mãe e ao meu grande pai... Que eu agradeci por tê-los mais um ano de presente!

A Amélia com toda sua risada escandalosa, se deliciando em um pastel e uma panqueca!

A Julinha e ao Gabriel, meus sobrinhos lindos que já não são mais tão pequenos!

A Fabi, minha afilhada de coração que eu escolhi pra ser minha irmã emprestada!

Ao Preto e ao Roberto... Meus doces amigos de infância, que irão durar a vida toda!

A Déborinha e ao Marcos... Os futuros noivos de abril, e ela que faz o melhor macarrão com carne moída que eu já comi na vida!

A Val e ao Manú... Ela com aquele jeito atrapalhado e cheio de vida, que me fez abrir horizontes, e ele com seu grandioso bom humor regados a copos de cerveja gelada!

Ao Marco... Meu amigo que eu escolhi pra ser meu irmão!

Ao Adriano... O meu presente de aniversario, e aquele que me faz tentar e ver o mundo de uma forma diferente todos os dias!

Um final de semana iluminado ♥

Ih, Falei!

25 de jan de 2012

Qualidade tem nome...

por Fabi Prado


...e seu nome é Expresso de Prata.

Perdoem-me a propaganda, mas é verdade. Não pensem que estou ganhando algo ou que trabalho na referida empresa, nada disso. Apenas acho que, se tem uma empresa bauruense que merece todas as nossas honras e todo o nosso respeito essa empresa é o Prata.

Quem já viajou até São Paulo de Prata e de avião pode dizer se estou mentindo ou não sobre a comparação que farei agora. A não ser que você viaje em uma aeronave grande, mas se for pra ir em algum “teco-teco” dessas pequenas empresas que operam na cidade, melhor mil vezes ir de Prata.

A qualidade, o respeito com o passageiro, a tranquilidade da viagem, o conforto, a pontualidade, são muito maiores que as de qualquer avião de pequeno porte que faça esse trajeto saindo de Bauru.

Tanto é verdade o que eu digo que, se você for até a rodoviária e até o aeroporto, nota a diferença gritante no número de passageiros, e olha que a diferença no valor da passagem hoje em dia nem é tão grande assim de um pro outro. Tranquilamente muitas das pessoas que vão de Prata poderiam ir de avião, mas não o fazem.

Posso estar enganada, mas o Prata vicia a gente. Qual bauruense nunca foi pra São Paulo de Prata? Pra ser sincera, ir pra São Paulo chega a ser nem tão ruim quando sou conduzida pelo Prata, e olha que eu não gosto nem um pouco de São Paulo, como já postei aqui anteriormente. Ônibus sempre novos, limpos, confortáveis, funcionários sempre agradáveis. Garantia de viagem tranquila.

Não à toa a frase tema da empresa é: “Quem vai de Prata vai muito melhor, quem vem também”.

Mais uma vez, perdoem-me a propaganda. Juro que não sou filha, nem neta e nem funcionária deles, e nem conheço nenhum funcionário deles. Presto aqui apenas uma homenagem justa a uma empresa que me faz sentir orgulho de dizer que “essa é de Bauru”.

Amigos, findo-me por aqui. Aquele abraço e até a semana que vem, se Deus quiser.

Ih, Falei!

24 de jan de 2012

Luiza, o BBB e a minha opinião!

por Marco Nascimento


Enquanto Luiza estava no Canadá, no Brasil discutia-se um suposto caso de estupro dentro da casa do Big Brother Brasil 12, reality show da rede Globo. Na ocasião, um dos “brothers” é acusado de se aproveitar sexualmente de uma companheira de confinamento, enquanto ela estava desacordada, devido ao grande consumo de bebida alcoólica.

O rapaz foi expulso do programa, enquanto milhares de brasileiros tornaram-se juizes e o julgaram através das imagens que circulam pela internet. Todos estes “juizes” criticaram a postura do rapaz, e colocaram em xeque a atração global. O suposto estupro ganhou as redes sociais, e além de Luiza, que ainda estava no Canadá, foi um dos assuntos mais comentados e discutidos no país.

Claro que não concordo com a atitude do rapaz, e sinceramente não vi as imagens para poder dar meu veredicto de se houve ou não o estupro, mas o fato é que o brasileiro está cada vez mais político e se preocupando com coisas que talvez não tenha tanta importância assim.

Claro que estupro é coisa séria, preocupante, mas milhares de mulheres são estupradas todo o ano, e não vemos esta repercussão toda. Não temos a mesma manifestação por justiça e indignação vista por este suposto estupro, que já foi negado pela suposta vítima.

Dias atrás uma menina de 16 anos foi estuprada e morta em Agudos, cidade do interior paulista, e cadê a revolta? Cadê a indignação? Cadê o pedido por justiça? Cadê a repercussão? O fato foi noticiado por jornais locais e já esquecido.

Estamos vendo a educação brasileira afundar cada vez mais. Pessoas morrem em filas de hospitais a espera por vagas. O trânsito faz cada vez mais vítimas. E todos estão felizes com a Copa do Mundo em nosso país, sem pensar que o dinheiro usado para construir estádios, poderia muito bem ser utilizados na educação ou na saúde.

Luiza já voltou do Canadá, e com status de estrela já fez comercial para a TV, visitou redação de jornal e já tem até fãs. A história envolvendo a jovem é mais uma prova de como o brasileiro tem tempo de sobra e se preocupa mais com bobagens do que com as coisas sérias.

Se o Big Brother Brasil ainda existe, é porque ao mesmo tempo em que critica, o povo brasileiro assisti ao reality. Se Neymar ganha milhões, e professores ganham pouco, pare e pense, estamos dando mais importância a quem mesmo? Se Luiza foi ou voltou do Canadá, e daí? Acho que temos muito mais coisas importantes para nos preocupar, não é Nascimento?


Abraços!

Ih, Falei!

18 de jan de 2012

Morrer de Amor

por Fabi Prado


Outro dia espantei-me ao abrir o jornal e ver uma nota de falecimento. A avó de uma amiga minha. O que mais me chamou a atenção é que o avô dessa mesma amiga, marido da avó, faleceu há pouco mais de um mês.

Antes, porém eu já tinha visto outro caso assim, em minha família por sinal. A mulher morreu em abril e o marido em agosto de determinado ano, espaço curtíssimo de tempo, e todos tem a mais absoluta certeza: ele morreu de solidão, de tristeza, de tédio... Literalmente, ele morreu de amor.

E no caso dos avós da minha amiga, pelo que eu conhecia dos dois, também posso apostar que ela morreu de amor.

Hoje em dia infelizmente não vemos mais um amor assim.

O amor hoje em dia é possessivo, sexual, fraco.

Hoje em dia ama-se ao outro como a um objeto. Se um resolver colocar um ponto final na relação, periga o outro ir lá e torturá-lo, assombrá-lo ou até mesmo ameaçar a alguém da família. E pior, quantas pessoas não pagam com a vida simplesmente por terminar uma relação sem sucesso? Isso não é amor, é posse.

Hoje em dia ama-se em cima da cama. O dia que acaba o “fogo da paixão”, acaba o amor.

O amor hoje em dia não resiste a uma simples briguinha banal ou a uma falta de dinheiro eventual, o amor hoje em dia sequer resiste a mais que uma ou duas estações.

Antigamente sim se amava de verdade. Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, com ou sem dinheiro, com ou sem conforto, o amor era bravo o bastante para sobreviver aos mais tortuosos caminhos.

Hoje vemos um bando de gente perdida, achando que ama, achando que é amada, achando que o amor supera tudo.

O amor verdadeiro sim supera tudo, pode tudo, mas não o amor possessivo e inerte que existe nos dias atuais.

Hoje, ao mesmo tempo que ama-se, já “desama-se”. Larga de um hoje e amanhã já está com outro e se bobear, depois de amanhã já está amando-se outro. Hoje as pessoas não sofrem por amor, elas simplesmente vingam-se. As pessoas deixam de amar com a rapidez de uma tsunami. Não se dedicam, não se esforçam pra se adaptar ao outro, afinal é mais fácil descartar e partir pra outra.

Temos ainda muito o que aprender com as gerações mais antigas, gerações que ainda hoje morrem por amor e nos deixam, ainda que com a sua morte, uma imensa e sensata lição de vida e de AMOR.

Amigos, findo-me por aqui. Aquele abraço e até a semana que vem, se Deus quiser.

Ih, Falei!

17 de jan de 2012

Dias de sol!

por Marco Nascimento


Apesar de um enorme abismo ter sido criado entre nós, eu ainda consigo ver a bela paisagem que há depois desta cratera. Lembro-me de todas as cores, flores e bichos. Ainda sinto o cheiro do ar puro, ouço o canto dos pássaros e o frescor do rio.

Em minha cabeça nada mudou. O tempo que passei neste lugar foi maravilhoso, por isso sinto saudades.

A escuridão não apagou o brilho dos meus olhos e nem me fez perder a imagem da qual me lembro com alegria. E é assim, com alegria, que irei lembrar sempre.

Apesar das tempestades, são dos dias de sol que eu não vou esquecer...

Abraços.

Ih, Falei!

13 de jan de 2012

Pra você...

por Mariana Perez


♪ É,
Só eu sei
Quanto amor
Eu guardei
Sem saber
Que era só
Pra você.

É, só tinha de ser com você,
Havia de ser pra você,
Senão era mais uma dor,
Senão não seria o amor,
Aquele que a gente não vê,
O amor que chegou para dar
O que ninguém deu pra você.
O amor que chegou para dar
O que ninguém deu pra você.

É, você que é feito de azul,
Me deixa morar nesse azul,
Me deixa encontrar minha paz,
Você que é bonito demais,
Se ao menos pudesse saber
Que eu sempre fui só de você,
Você sempre foi só de mim... ♫ (Só tinha de ser com você – Elis Regina)


Um final de semana iluminado ♥

Ih, Falei!

11 de jan de 2012

Mais uma tentativa...

por Fabi Prado


...e não vou dizer que será a última.

Só quem está acima do peso sabe o quanto é duro a tal da luta contra a balança.

Eu falo por máxima experiência. Eu já tentei mais de dez coisas diferentes pra perder peso e até encontro resultado satisfatório, que dura no máximo seis meses. Em seguida volta tudo ao normal.

Volto a comer as mesmas porcarias e em excesso, perco a vontade de praticar atividade física e volto à estaca zero, ou seja, engordo tudo o que emagreci.

Semana passada resolvi dar mais um passo contra esse fantasma de peso, literalmente, que me persegue: vou fazer pilates. Fiz uma aula experimental e gostei. É diferente de tudo o que eu já tentei.

Pilates é diferente de musculação, de esteira, de bicicleta, de caminhada, é diferente de body pump, de jump, de dança do ventre. É suave, apesar de exigir forte; é relaxante, apesar de pegar pesado; é estimulante.

Vamos ver se dessa vez eu saio do maldito efeito sanfona e me torno alguém magra e saudável, porque não basta ser magro, é preciso ter saúde.

E espero conseguir o meu objetivo e mantê-lo, o que é ainda mais importante (e difícil). Sei que novamente recomeço uma árdua caminhada rumo ao meu foco, mas é assim que tem que ser.

Tenho que ser guerreira mais uma vez e estou cheia de fé que dessa vez eu consigo, ah se consigo!!!

E não me importa se é a décima primeira ou a primeira vez que eu tento. Pra mim sempre haverá mais uma tentativa. Eu não me rendo. A luta continua...

Amigos, findo-me por aqui. Aquele abraço e até a semana que vem, se Deus quiser.

Ih, Falei!

10 de jan de 2012

De volta pra casa...

por Marco Nascimento


Senti a necessidade de sair. Pegar a estrada sem rumo, sem destino... caminhar mesmo que os pés ficassem cansados. Fui sem me preocupar com o tempo, com as horas, com a saudade...

Resolvi seguir um caminho que nem ao certo eu sabia qual era. Muito menos aonde eu iria chegar. Não sabia se aquilo era o certo, se iria me fazer bem... mas eu precisava disso. Precisava caminhar sem rumo, para que assim minha cabeça pudesse ficar livre.

Fui caminhando, admirando a paisagem e descobrindo que no caminho haveria surpresas que me fariam voltar atrás, e ver que aquilo era uma fuga em vão. Que ao invés de descobrir um novo mundo, na verdade eu estava fugindo de um fantasma que iria me acompanhar por onde eu fosse, e que só me livraria dele, se ao invés de fugir, eu o enfrentasse, e o vencesse. Então resolvi voltar.

Voltei para cumprir a minha obrigação, e me sentir bem sem precisar fugir. Quando decidi ir não pensei nas pessoas em minha volta, no que me fazia bem, no que eu realmente queria pra mim. Dei mais importância ao lado negativo, do que ao positivo.

Achei que virar as costas e seguir um novo(?) rumo seria o mais correto, mas me enganei. Parece que tudo entrou escondido em minha mala e dali não saia de forma alguma.

Deixei a casa bagunçada, por isso não conseguia esquecer aquilo que me fez fugir. Aprendi que quando se há uma bagunça, por maior que seja, o melhor a fazer é arrumá-la, pois caso contrário, ela sempre ficará ali, e uma hora ou outra nos esbarraremos nela.

Hoje estou de volta pra casa, e o melhor, estou a organizando, fazendo uma reforma... pequenos reparos, confesso. Mas reparos essenciais.

Fiquei dias em uma viagem incerta, em uma ilusão, mas agora, depois de um tempo longe, voltei pra casa.

E que saudade eu senti deste lugar... o meu lugar!!!

Abraços!

Ih, Falei!

6 de jan de 2012

Retrospectiva 2011!

por Mariana Perez

“Quando a lagarta acha que o mundo tinha acabado, virou borboleta.”
(Caio F. Abreu)


Esse ano foi difícil... estranho mesmo seria se não fosse!

Foi o ano das mudanças, talvez o das maiores nesses meus anos de vida...

Em janeiro fiz 24, e já pensando (e sofrendo!) que dali alguns meses chegaria na minha doce “bodas de prata”... não que eu goste de contar os aniversários... mas...

Em fevereiro começaram as aulas, no meu amado e complexo curso, e se não bastasse me apaixonei L-O-U-C-A-M-E-N-TE... Viajei, tomei uns 29 porres de vodka, fui dormir quando o sol nascia, e quase (mas foi quase mesmo!) morri de amor...

Em março eu chorei o mês todo... Meu amor foi embora junto com a minha paz... Mas como quase nada em mim, que dura pra sempre eu sobrevivi!

Abril foi lindo... Quando ouvi o Bono cantando “I Still Haven`t Found What I am Looking for”, e eu (obviamente!) chorando horrores no Morumbi com o coração na boca...

Maio, junho e julho eu ainda chorei... Não como o mês de março... Mas passei pela dor da saudade de quem já não volta mais!

Agosto a Branquinha nos deu um susto quando ficou internada, percebi o quando ela era importante na nossa casa cada vez que eu abaixava pra colocar ração e ela lambia as minhas mãos... E junto com a recuperação dela eu ganhei um emprego novo... Com o dobro das responsabilidades do meu antigo, mas quem sabe poderá sair dali o meu lugar ao sol... Ou talvez o que realmente mereça...

Setembro, aniversário de 60 anos do grande homem da minha vida... E ele?? Ele ficou feliz da vida quando os três filhos estiveram juntos...

Outubro teve um início de surto com as provas da faculdade, a campanha do dia das crianças, e mais as 40 entrevistas diárias com relatórios pra terminar...

Novembro foi estranho e surpreendente. Teve a partida de quem nunca esteve, e a chegada do novo... Não senti suspiros e respiração sem controle de novo, mas é tão surpreendente quanto uma borboleta quando pousa nos nossos ombros! Um engenheiro??? Pai do céu... Exato demais pra quem vive nas nuvens...

Um final de semana iluminado ♥

Ih, Falei!

4 de jan de 2012

2012 sem preconceito

por Fabi Prado


Esperamos que seja.

Ano após ano as pessoas fazem para si mesmas mil e uma promessas de ano novo.

Prometem emagrecer; prometem parar de fumar; prometem estudar mais; prometem trabalhar menos; prometem se dedicar mais a família, enfim prometem mundos e fundo, mas deixar o preconceito de lado, ninguém promete!

A gente sabe que é preconceituoso, mas não admite e quando admite não faz nada pra mudar.

Acho incrível a falta de capacidade que temos de deixar de lado esses dogmas.

Em pleno século XXI, como podemos não dominar o nosso preconceito? Falamos do preconceito alheio, mas o nosso fingimos não ver, não existir.

Achamos feio ser preconceituoso, condenamos quando alguém age com preconceito, mas o que estamos fazendo pra sermos pessoas menos preconceituosas?

De verdade, não estou me excluindo dessas pessoas, uma vez que sou humana, fui criada por um pai preconceituoso (que não posso exigir que mude agora), por uma mãe subserviente que sempre acatou os dizeres do meu pai, mas não uso isso como desculpa prá “ser preconceituosa”. Eu luto com todas as minhas forças prá não me deixar dominar por isso e tenho conseguido de maneira satisfatória e é o que pretendo passar aos meus filhos.

Diferente dos meus pais não quero criar filhos fazendo-os seguirem meus dogmas. Quero criar filhos livres, cabeça aberta, filhos que tenham opinião própria e não sejam guiados por atitudes medíocres e repulsivas herdadas de sei lá quando porque infelizmente o preconceito é algo que é passado de pai para filho.

E creio que o preconceito só desaparecerá por completo quando os pais pararem de repassá-los aos seus filhos.

Peça tudo o que tiver que pedir pra 2012, mas não se esqueça de pedir para que o seu preconceito, se houver, míngüe, diminua ou suma se possível.

Enquanto houver o preconceito, haverá a discórdia, o ódio, a falta de respeito e a liberdade parcial.

Em 2012 digamos não ao preconceito.

Amigos, findo-me por aqui. Aquele abraço e até a semana que vem, se Deus quiser.

Ih, Falei!