4 de jan de 2012

2012 sem preconceito

por Fabi Prado


Esperamos que seja.

Ano após ano as pessoas fazem para si mesmas mil e uma promessas de ano novo.

Prometem emagrecer; prometem parar de fumar; prometem estudar mais; prometem trabalhar menos; prometem se dedicar mais a família, enfim prometem mundos e fundo, mas deixar o preconceito de lado, ninguém promete!

A gente sabe que é preconceituoso, mas não admite e quando admite não faz nada pra mudar.

Acho incrível a falta de capacidade que temos de deixar de lado esses dogmas.

Em pleno século XXI, como podemos não dominar o nosso preconceito? Falamos do preconceito alheio, mas o nosso fingimos não ver, não existir.

Achamos feio ser preconceituoso, condenamos quando alguém age com preconceito, mas o que estamos fazendo pra sermos pessoas menos preconceituosas?

De verdade, não estou me excluindo dessas pessoas, uma vez que sou humana, fui criada por um pai preconceituoso (que não posso exigir que mude agora), por uma mãe subserviente que sempre acatou os dizeres do meu pai, mas não uso isso como desculpa prá “ser preconceituosa”. Eu luto com todas as minhas forças prá não me deixar dominar por isso e tenho conseguido de maneira satisfatória e é o que pretendo passar aos meus filhos.

Diferente dos meus pais não quero criar filhos fazendo-os seguirem meus dogmas. Quero criar filhos livres, cabeça aberta, filhos que tenham opinião própria e não sejam guiados por atitudes medíocres e repulsivas herdadas de sei lá quando porque infelizmente o preconceito é algo que é passado de pai para filho.

E creio que o preconceito só desaparecerá por completo quando os pais pararem de repassá-los aos seus filhos.

Peça tudo o que tiver que pedir pra 2012, mas não se esqueça de pedir para que o seu preconceito, se houver, míngüe, diminua ou suma se possível.

Enquanto houver o preconceito, haverá a discórdia, o ódio, a falta de respeito e a liberdade parcial.

Em 2012 digamos não ao preconceito.

Amigos, findo-me por aqui. Aquele abraço e até a semana que vem, se Deus quiser.

Ih, Falei!

Nenhum comentário:

Postar um comentário